A Prefeitura de Goiânia interditará, a partir desta 4ª feira (8), todas as academias ao ar livre dos parques da capital.

Inicialmente, a ênfase maior será aos locais que têm concentrado o maior índice de aglomeração de pessoas, como os parques Flamboyant, no Jardim Goiás, Vaca Brava, no Setor Bueno, e Areião, no Setor Marista.

Goiânia conta, atualmente, com cerca de 42 parques distribuídos em várias regiões da capital, sendo que 17 deles possuem equipamentos de ginástica.

Esses parques devem receber, a partir dessa 4ª, visitas de agentes da Guarda Civil Metropolitana (GCM), de auditores fiscais da Secretaria Municipal de Planejamento Urbano e Habitação (SEPLANH) e da Polícia Militar (PM) para isolamento dos equipamentos.

Essa será uma ação conjunta dos órgãos municipais e estaduais de fiscalização e segurança que compõem o Gabinete de Gestão Integrada do Município (GGIM).

Isolamento social

Desde o mês de março, a Prefeitura de Goiânia e o Governo de Goiás deram início a uma série de medidas para enfrentamento à pandemia do novo coronavírus.

Seguindo orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde, essas ações estão focadas em evitar a aglomeração de pessoas em locais públicos e privados.

Entretanto, pequena parte da população ainda está relutante no cumprimento de algumas determinações.

Uma das medidas definidas em decreto, tanto estadual quanto municipal, e que vem sendo desrespeitada por parte da população, é a concentração em parques da cidade e a utilização das academias ao ar livre desses espaços para a prática de atividades físicas.

Essa prática é fortemente rejeitada pela OMS devido ao grande risco de contaminação.

Os equipamentos são compartilhados, inclusive por pessoas assintomáticas à doença, que, sem saber, podem contaminar os equipamentos e transmitir a outros usuários que poderão infectar outras pessoas, contribuindo para a disseminação geométrica da doença.

Minha profissão tem direito ao auxílio de R$ 600? Confira a lista


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook