Ameaçadas, menores que torturaram ‘amiga’ não se arrependem

Adolescentes que torturaram 'amiga' em Trindade são ameaçadas |Foto: Divulgação
Adolescentes que torturaram ‘amiga’ em Trindade são ameaçadas |Foto: Divulgação

As quatro adolescentes apreendidas suspeitas de torturar uma menor de 14 anos em Trindade, Região Metropolitana de Goiânia, estão sendo ameaçadas pelas redes sociais. A delegada responsável pelo caso, Renata Vieira, disse que muitas pessoas estão indignadas com a situação, que foi filmada e divulgada, e querem vingança.

“O fato gerou uma comoção social muito grande. As pessoas chegam a mencionar inclusive em grupos de redes sociais que vão se vingar dessas autoras, mas a gente não pode tentar fazer justiça com as próprias mãos. Vamos investigar essas questões das ameaças que estão sendo perpetradas contra as famílias das autoras”, afirmou Renata.

LEIA MAIS: Casal que aterrorizava usuários do transporte coletivo é preso em Goiânia

Medo

De acordo com a delegada, a vítima e a mãe mudaram de residência por questão de segurança, pois moravam muito próximo das suspeitas. A polícia acredita que as famílias das agressoras também terão que trocar de casa.

“Lamentavelmente a gente vai ter que orientar as famílias para que não continuem morando na mesma residência, porque o que percebemos é a questão da revolta da população”, completou a delegada.

Caso

Segundo das investigações, a ocorrência começou quando a vítima teria chamado o ex-namorado de uma das suspeitas para organizar sua festa de 15 anos. O fato teria provocado ciúmes e culminado com a tortura.

A menina foi atraída para a casa de uma das suspeitas na última quinta-feira, 29, sob o argumento de que haveria uma festa no local. Ao chegar, ela foi esfaqueada e agredida com pedaço de pau e um facão em uma sessão de tortura que durou quase 4 horas.

Até mesmo uma cova foi feita no quintal da casa para que a menina fosse sepultada. “Elas começaram a me bater, me amarraram, me mostraram onde eu iria ser enterrada. Nisso, me deram uma facada e me colocaram na cova. Pensava só que eu ia morrer”, contou a vítima.

“Somos frouxa”

Após ser apreendida e relatar o que aconteceu, uma das menores, de 14 anos, se indignou porque a vítima conseguiu escapar. “Todo mundo aqui estava com raiva dela. Porque ela não gosta da gente por causa desse negócio de namoradinho. No nosso pensamento, íamos bater nela, ela ia morrer e nós íamos enterrar ela. Só que aí não deu certo porque nós somos frouxa, sabe. Nós não damos conta de começar o serviço e terminar”, disse.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram eTwitter

Comentários do Facebook