Agora é a vez do coelho que nunca botou um único ovo de páscoa!

Andréia Magalhães é docente na Estácio de Sá/GO, IPOG e Diretora na CGJGO
Andréia Magalhães é docente na Estácio de Sá/GO, IPOG e Diretora na CGJGO

Períodos eventuais não faltam ao Brasil. A sazonalidade já faz parte do dia a dia da nação. O preço de tudo quanto é bem econômico sobe constantemente.

O ano do brasileiro com relação ao aumento de preços é assim: em janeiro são os festejos da virada de um ano a outro, depois vem o carnaval, sequencialmente a semana santa, páscoa, mês das mães e das noivas, festa junina e dia dos namorados, férias de meio de ano, dia dos pais, mês das flores, dia das crianças e padroeira do Brasil, logo após vem dia de finados, feriados e então o natal. É até engraçado, durante todos os meses do ano vai haver acréscimo de preços nas mercadorias e serviços.

O governo diz que a inflação só ocorre em períodos esporádicos, no caso brasileiro, isso é rotina.

Aí, o consumidor se pergunta: o que fazer para conseguir quitar suas despesas? Como não entrar em parcelamentos? De que forma seria possível correr de empréstimos?

Recentemente, foi divulgada uma pesquisa gerenciada pela Serasa Experian retratando o endividamento da sociedade brasileira, apresentou-se como resposta a este trabalho a situação de que o país tem aproximadamente 6 milhões de devedores em 2013 assim como no ano anterior.

Isso me pareceu uma piada, pois, como as pessoas poderiam ficar sem ter dívidas com essa economia descontrolada e dependência exagerada de assistencialismo do governo?

É óbvio que a sociedade precisa aprender a consumir e saber gastar seu dinheiro, mas a política econômica nacional deveria ser aliada  dessas medidas.

Agora, se o país que vivemos tem uma constante sazonalidade, endividamento exagerado, descontrole financeiro e economia que vai muito mal obrigada, eu só posso lamentar por nossa nação.

Andréia Magalhães é docente na Estácio de Sá/GO, IPOG e Diretora na CGJGO

 

Comentários do Facebook