Alunos do curso de medicina da Faculdade Alfredo Nasser (Unifan) criaram um aplicativo (app) que oferece uma teleorientação, via Whatsapp, sobre a covid-19.

O projeto, chamado de Telecovid, foi criado há 2 meses pelos acadêmicos Jair de Oliveira, do 12º período, e Julia Ramos, do 11º período.

Segundo os criadores, o aplicativo traz informações qualificadas para a população e estratifica o doente em baixo, médio e alto risco.

Quando há a necessidade, o paciente conversa com a equipe técnica médica que está disponível 24h por dia e 7 dias por semana para realizar as orientações necessárias.

Ainda conforme os acadêmicos, o sistema consegue esclarecer dúvidas básicas sobre os meios de se contrair o coronavírus e as formas de transmissão.

Desta forma, o “robô” segue o fluxograma do Ministério da Saúde e vai conseguir orientar o paciente.

Funcionamento

Júlia Ramos, uma das idealizadoras do app, ainda explica que um 2º “robô” faz o acompanhamento de casos confirmados ou suspeitos.

Diariamente, o programa entra em contato com a pessoa para checar a evolução do quadro de saúde.

Conforme explica o acadêmico Jair de Oliveira, a partir dos dados coletados, o “robô” consegue especificar esse paciente e respectivamente orientá-lo ao melhor e mais indicado local que ele precisa ir, de acordo com o grau de risco.

“O aplicativo orienta a população dando mais segurança e esclarecimento, evitando assim a sobrecarga nas Unidades Básicas de Saúde.”, esclarece o aluno.

Telecovid

O Telecovid atua também de forma a encaminhar a pessoa para uma UBS que ele mais precisa no momento, além de criar um perfil epidemiológico do paciente.

Posteriormente esses dados são repassados, via relatório, às prefeituras para que políticas públicas específicas possam ser implementadas com mais precisão nas regiões observadas.

O aplicativo já está em processo de implementação em 4 municípios do Pará.

Veja como um enxaguante bucal pode te proteger da covid-19


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook