Aniversário de Goiânia: R$ 197 mil em show. No de Aparecida, R$ 880 mil

Internautas reclamam de "desperdício" de dinheiro público com apresentações musicais de gosto "duvidoso". Parece fora da realidade, mas não é

A jornalista Fabiana Pulcinelli (GJC) revelou, em sua conta no Twitter, ter sido questionada sobre o valor do show da dupla sertaneja João Neto e Frederico em comemoração ao aniversário de Goiânia.

Respondeu, de pronto, que a Prefeitura de Goiânia desembolsou R$ 197 mil – R$ 135 mil referentes ao cachê e mais R$ 62 mil destinados aos equipamentos. Dados, segundo ela, disponíveis no Portal da Transparência.

O questionamento feito por internautas merece uma análise mais detalhada por conta de polêmicas do passado.

Quem não se lembra dos R$ 850 mil pagos pelo Governo de Goiás aos sertanejos Leonardo e Eduardo Costa, protagonistas do “Cabaré” mais badalado do réveillon 2015?

Outro parâmetro de comparação mais recente: R$ 880 mil gastos com 5 shows pela Prefeitura de Aparecida de Goiânia, em maio deste ano, para comemorar o aniversário da cidade.

Entre as atrações, Gusttavo Lima (R$ 400 mil), Naiara Azevedo (R$ 150 mil), Gabriel Diniz (R$ 150 mil), Léo Magalhães (R$ 130 mil) e Isadora Pompeo (R$ 50 mil).

Show da dupla sertaneja João Neto e Frederico marcou comemoração ao aniversário de Goiânia nesta quinta-feira, 24 de outubro
Show da dupla sertaneja João Neto e Frederico marcou comemoração ao aniversário de Goiânia nesta quinta-feira, 24 de outubro | Foto: Divulgação / Prefeitura de Goiânia

Sertanejo

Alguns fatores incomodam mais os críticos do que os cachês dos shows, que são contratados com dispensa de licitação, portanto aleatoriamente.

O principal: utilizar o dinheiro público para fins mais nobres, segundo eles, e não “desperdiçá-lo” com apresentações musicais de gosto duvidoso.

O predomínio do gênero sertanejo, acompanhado de atrações religiosas, geralmente provoca um bombardeio de comentários negativos nas redes sociais.

E o ponto mais sensível a ser atacado é justamente o valor pago pelas apresentações.

Resumindo: R$ 197 mil para um show de João Neto e Frederico está dentro do padrão de mercado. O mesmo aconteceu com os R$ 880 mil em Aparecida de Goiânia.

Parece fora da realidade, mas não é. O “Cabaré” de 2015 superou em R$ 50 mil o show de Zeca Pagodinho, no Réveillon de Copacabana, porque era a sensação do momento no país.

Enquanto prevalecer a lei da oferta e da procura no universo artístico, os governantes seguirão escolhendo atrações de maior apelo popular para animar suas datas festivas.

Gosto não se discute. Mesmo sendo dinheiro público.

Assassinato do soldado Walisson, do CPE de Aparecida, completa 1 mês sem respostas


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook