Aplicativo: Veja se você está inscrito para receber auxílio emergencial

Quem já estiver registrado poderá acessar os próprios dados e verificar sua situação cadastral

Aplicativo 'Meu CadÚnico' permite ao cidadão saber se está cadastrado para receber o auxílio emergencial de R$ 600 | Foto: Folha Z
Aplicativo 'Meu CadÚnico' permite ao cidadão saber se está cadastrado para receber o auxílio emergencial de R$ 600 | Foto: Folha Z

Um aplicativo (app) do Governo Federal permite ao cidadão saber se ele está inscrito no CadÚnico, programa que será uma das portas de entrada para o auxílio emergencial de R$ 600, conhecido como coronavoucher.

Por meio do Meu CadÚnico, as pessoas que já estão registradas poderão acessar os próprios dados e verificar a situação cadastral.

Nele, o cidadão também pode gerar o comprovante de cadastro, encontrar o centro de referência de Assistência Social mais próximo, entre outras ferramentas.

Além do aplicativo, o governo disponibiliza outras 2 formas de consulta de cadastro no CadÚnico.

Para baixar, clique aqui (versão Android) ou aqui (versão iOS).

São elas:

  1. Por meio do site do governo. Basta clicar aqui para acessar;
  2. Pelo telefone 0800 707 2003. Ligações apenas por telefone fixo.

LEIA MAIS: Auxílio de R$ 600 por mês: como pedir, quem tem direito e onde sacar

Quem pode se inscrever no CadÚnico?

  • Famílias com renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa;
  • Famílias com renda mensal total de até 3 salários mínimos;
  • ou famílias com renda maior que 3 salários mínimos, desde que o cadastramento esteja vinculado à inclusão em programas sociais nas três esferas do governo;
  • Pessoas que moram sozinhas, estas são caracterizadas como famílias unipessoais;
  • Moradores em situação de rua, sozinhas ou com família. O caminho, nesse caso, é procurar algum posto de atendimento da assistência social e perguntar como fazer para ser incluído no Cadastro Único.

URGENTE: Caixa abre cadastro para trabalhadores com direito aos R$ 600


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook