Bateu o desespero no presidente e em mais 200 milhões de pessoas

No Brasil, mesquinharia impede o avanço político e econômico. Ciclo administrativo pode sofrer 3º abalo. Falta interesse real pela bandeira do desenvolvimento

Há muito tempo você escuta que o Brasil só irá progredir, pra valer, com a aprovação de reformas estruturais.

Uma balela sem tamanho. Reformas Trabalhista e da Previdência viabilizadas, outras a caminho, e o país não sai das cordas.

Sabe por quê?

Egoísmo, mesquinharia deslavada dos agentes públicos e grupos poderosos da iniciativa privada.

Ninguém está nem aí para a bandeira do desenvolvimento nacional e redução das desigualdades.

O que realmente importa é “garantir o meu”. Dane-se o resto.

O presidente esquerdista do passado, articulado, deixou a roubalheira correr solta nos gabinetes do seu governo.

O presidente direitista do presente, desmiolado, paga alto preço por uma condução administrativa amadora, contaminada pelo toma-lá-dá-cá miliciano-familiar.

Presidentes da Câmara e do Senado defendem agenda positiva para o país, mas só pensam na formação das chapas partidárias para 2022.

Os ministros do STF perderam o equilíbrio de vez, revelando desavenças dignas de batalha entre torcidas organizadas.

Veículos de comunicação pregam a defesa do bom jornalismo, entretanto o foco real é o poder da influência com retorno financeiro.

Bateu o desespero no presidente e em mais 200 milhões de pessoas, escreve Rodrigo Czepak | Foto: José Dias/PR
Bateu o desespero no presidente e em mais 200 milhões de pessoas, escreve Rodrigo Czepak | Foto: José Dias/PR

Governabilidade

Feito esse preâmbulo, aterrisso na queda de braço entre a família Bolsonaro e o Grupo Globo que domina o noticiário.

A governabilidade está sumindo pelo ralo e o brasileiro já sabe onde essa história acaba.

Não é à toa o interesse empresarial a respeito das diretrizes de um hipotético governo do vice-presidente.

O mesmo acontece em relação à curiosidade sobre os pensamentos de um apresentador narigudo das tardes de sábado, pré-candidato ao Palácio do Planalto.

Jair Messias não tem estrutura emocional para suportar a intensidade da fritura.

Sua única saída é chamar a Globo de “porca, canalha, imoral” e mais 50 adjetivos impublicáveis.

Bateu o desespero no presidente e em mais 200 milhões de pessoas.

Terceira batalha em que o grande prejudicado é o povo brasileiro.

Exatamente por não enxergar a retomada do crescimento econômico, intercalada com a melhoria da qualidade de vida, a curto e médio prazo.

Depois das experiências com Itamar e Temer, Mourão já pede passagem.

Homicídio do soldado Walisson desperta dúvidas sobre polícias


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook