Cachoeira manda recado para políticos goianos

Carlos Cacheira deu o recado. O contraventor Carlos Augusto de Almeida Ramos, ou Carlinhos Cachoeira, publicou um artigo no Diário da Manhã nesta segunda-feira, 18, e disparou diversas indiretas.

No texto, recados são dados a vários políticos e especialmente para Iris Rezende (PDMB). Vale lembrar que Carlos Augusto foi destaque do País no ano passado por conta da CPMI do Cachoeira e, também, por sua ligação ao governador Marconi Perillo (PSDB)

Confira o artigo de Carlos Cachoeira para o Diário da Manhã na íntegra:

Os canalhas também envelhecem

Políticos são mesmo pilantras. Não há exceção. Uns começam a roubar no movimento estudantil, ‘gerenciando’ recursos da carteira de estudante e assaltando os caraminguás da ‘jovada’, como diria o hilariante ‘Bambuzinho’, ex deputado estadual. Outros, chamados de burros pelo próprio pai, continuam insistindo na carreira muar e fazendo sofrer a milhares que tem de aturar seus recalques e pronunciamentos insignificantes, que o medíocre, sempre bajulado, crê se equiparar à luminosidade de um Nobel.

Especialistas no dom de iludir, já vi de tudo, há descendentes de humildes calabreses que num golpe de marketing se tornam quatrocentões paulistas e, suprema glória da picardia, moram num Estado e governam outro.

Ocultação de patrimônio em nome de terceiros, lavagem de dinheiro, herança de família… Como lembraria, apropriadamente, Noel Rosa: “o seu dinheiro nasce de repente/ embora não se saiba se é verdade/ você acha nas ruas diariamente/ anéis, dinheiro e até felicidade. Toda espécie de gente quer ser político.

Goiás é um reduto costumeiro de imigração. Terra de oportunidades, construiu talvez o povo mais bonito do Brasil e o dinheiro veio com fartura porquê de cem anos para cá o Estado que era o mais pobre da nação se transformou num oásis de prosperidade. Lamentavelmente, o traquejo não acompanhou a transformação da era da carroça para a supersônica com igual velocidade. Daí o imenso besteirol que nos acompanha diuturnamente, onde quer que estejamos. Felizmente, não temos famílias tradicionais, mas somente sobrenomes antigos.

Alguns de nossos políticos jamais poderiam ser candidatos, deveriam estar tomando noções basilares da língua pátria, em vez de submeterem nossos ouvidos à ‘sinergia’, ‘choque de gestão’ ou ‘frango de granja’. A língua passou a ter mais desvios que a administração da Agetop, Detran, Celg e Comurg. Os pobres infelizes, quando candidatos, são submetidos a uma sabatina árdua sobre suas preferências literárias, conhecimento de administração, história, gostos culinários e o diabo a quatro. A sorte é que quase sempre quem indaga e quem lê são também incultos. Lembro-me, numa eleição muito recente, de um candidato poderoso que respondeu, honestamente, qual era o autor que estava lendo naquele momento. Resposta na bucha: Maurício de Sousa. Por conta disso, O jornal de maior circulação do Estado teve de fazer uma matéria de página inteira, na capa do caderno 2, com fotografia do dito fulano, cercado de livros “que estava lendo naquele momento” e discorrendo até sobre filosofia. Francamente! Fora os ternos, gravatas, camisas, sapatos com fivelas que alguém sugeriu que utilizasse para parecer modernos.

Um capítulo à parte são as mulheres dos candidatos, as tais primeiras damas, que fazem de tudo para aparecer, quando deveriam parecer discretas. Várias se aproveitam do nome do marido e acabam também se imiscuindo na política, onde fazem carreira longa e inexpressiva. Lembro-me de uma que fez um imenso ‘depoimento’ sobre sua vida antes da conversão ao cristianismo, narrando detalhadamente, para a plateia, entre estarrecida e em êxtase, suas traições e aventuras sexuais. É de chorar.

Todos sabem que, desde os anos 80, participo ativamente da vida política do Estado. Convivi com toda espécie de gente, com integrantes de todos os partidos políticos, jornalistas, empresários, juízes, promotores e tudo o que cerca esse mundo. Conheço, com proximidade, os quatro primeiros colocados nas pesquisas de intenção de votos para governador de Goiás. Por opção própria me afastei para recolher-me com minha família ao ostracismo e à minha defesa, onde provarei que fui vítima de uma grande armação que visava destruir terceiros, mas disso poderei tratar somente no futuro.

Mais recentemente apareceu a figura de um novo tipo de político, “o pilantra ninja”, aquele que faz tudo igual aos outros, e até pior, porém quer aparecer aos olhos do ‘povo’ como uma vestal, um insigne, um imaculado. Este político, Iris Rezende Machado, tantas fez que obrigou-me, neste instante, a sair do meu propósito, e vir à tona para esclarecer, minimamente, quem ele é e porque me ataca.

Iris, que por erros próprios, está se distanciando do primeiro colocado nas pesquisas, insiste no denuncismo e por onde passa declara algo sobre o ‘caso Cachoeira’. Promete que isso vai ser o mote principal de sua campanha e tem me utilizado vulgarmente para atingir o seu principal oponente. Desejo-lhe sorte, mas se esqueça de mim, senão da próxima vez que me pronunciar, já será com as provas do que vou aqui dizer.

Iris, quando era candidato a governador em 1990, participou de todas as solenidades de fim de ano da ‘Look Loterias’, empresa que gerenciava então toda a operação do jogo do bicho em Goiânia. Lá, em um ginásio de esportes, entregou brindes e prometeu, mas não cumpriu, doar casas para os cambistas presentes. Aos proprietários encantou-os com a possibilidade de legalizar o jogo. Como retribuição teve farta contrapartida financeira.

Quando se tornou Senador da República, chegou a oferecer-me um almoço na residência do à época também Senador, Maguito Vilela, juntamente com dois outros empresários.

Não se esqueça Iris do seu encontro com o manda chuva e mais dois diretores da Delta, em sua fazenda no Mato Grosso, em que o cardápio trazia pescaria e também outros assuntos não tão republicanos, tudo, como sempre acontece comigo, devidamente documentado.

Se quer estancar a metástase, me esqueça. E peça aos que o seguem, especialmente os traidores e seus capangas, que tomem a mesma direção. Não quero ter de voltar aqui para dispensar aos outros a mesma posologia que fui obrigado a lhe conferir. Lembre a eles dos favores prestados a seus amigos vagabundos e, a sempre presente, despesa de campanha. Vá cuidar de sua fortuna de mais de um bilhão de reais e sobrevoe, nas asas do seu avião King Air, áreas públicas distribuídas a associações filantrópicas e que, estranhamente, foram parar nas mãos de particulares.

Repito, estou dentro da minha casa com minhas angústias, tormentos, esperanças e crenças. Mas o meu silêncio não deve ser confundido com pusilanimidade. Para defender minha família e minha honra viro ‘Lampião’ e só me calarei “quando a indesejada das gentes chegar”.

Iris, lembre-se do grande Chico Anísio, em vez de ficar saracoteando daqui pra acolá como o atleta coalhada, siga a ordem que o Nazareno dava pra sua mulher Sofia e fique: CA-LA-DO!

A velhice não é defeito para ninguém, ao contrário, a decadência física deve se alinhar à pujança intelectual. Churchill morreu com mais de 90 anos, respeitabilíssimo, referência para a humanidade. O que quer o eleitor não é você sacudindo suas pelancas, colocando em dificuldade seu personal trainer e gastando dinheiro a mais com cardiologista. Faça uma corrida mental, se supere, vá adiante, leia, pesquise, apresente propostas. Se reinvente. Sempre penso nos velhinhos com aquele ar de bondade, com dificuldades como o Mister Magoo, bons conselheiros. Mas de você eu só consigo me lembrar que os canalhas também envelhecem.

(Carlos Augusto de Almeida Ramos, empresário)

 

 

Comentários do Facebook