Meu cachorro morreu em Goiânia: o que fazer com o corpo? Comurg ajuda

O que fazer quando o cachorro morreu em Goiânia? A comurg tem serviço de recolhimento do corpo | Foto: Reprodução
O que fazer quando o cachorro morreu em Goiânia? A comurg tem serviço de recolhimento do corpo | Foto: Reprodução

É doloroso. Mas quando um bicho que é praticamente membro da família morre não é incomum uma dúvida: o que fazer com o corpo?

Muita gente, em ato solene, prefere enterrá-lo no quintal de casa. Mas outros, insensatos, acabam abandonando o corpo do bichinho na rua.

Ninguém tem dúvida de que o descarte incorreto do animal gera uma série de danos ao meio ambiente e à saúde pública.

publicidade

Mas a quem recorrer em casos de cachorro morto na rua ou situações semelhantes?

?? Comurg realiza coleta de animais mortos

Na capital, é a Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg) quem disponibiliza o serviço de coleta.

Ao ser informada, a companhia direciona equipes até o local para recolher o corpo. Na maioria das vezes, são gatos e cães.

Mas animais grandes, como cavalos e vacas, também podem ser recolhidos. O processo é feito por meio de uma pá mecânica e um caminhão para transporte.

O destino de todos os bichos recolhidos é o Aterro Sanitário de Goiânia, onde o descarte é feito adequadamente.

Em 2016 foram recolhidos cerca de 440 animais mortos em locais públicos e cerca de 55 em locais particulares.

Já em 2017, foram recolhidos 328 animais em locais públicos e 124 em locais particulares.

Procurada pela reportagem, a Comurg alertou que o “descarte de animais em locais públicos é proibido. Se o contribuinte for flagrado fazendo esse tipo de ação poderá ser autuado e multado.”

Coleta de animais feita pela Comurg em abril de 2018 nas imediações do Hospital de Doenças Tropicais (HDT), Jardim Bela Vista, em Goiânia | Foto: Reprodução / Prefeitura de Goiânia
Coleta de animais feita pela Comurg em abril de 2018 nas imediações do Hospital de Doenças Tropicais (HDT), Jardim Bela Vista, em Goiânia | Foto: Reprodução / Prefeitura de Goiânia

? Quanto custa a coleta de animais? 

Os pedidos feitos à Comurg são atendidos em média 2 horas após a solicitação.

Já em relação à taxa, existe um detalhe a ser levado em consideração.

Caso o corpo do animal esteja em local público, não há cobrança de taxa.

No entanto, caso o recolhimento seja efetuado dentro de uma residência, a cobrança é de R$ 3,75 por kg do animal.

Caso o bicho seja levado ao aterro pelo interessado, também não há cobrança de qualquer taxa.

LEIA MAIS: Cata Treco: Comurg vai até sua casa e recolhe móveis velhos

?☎? A coleta de animais mortos pode ser solicitada pelos telefones:

Esses são os números da Comurg para solicitação do serviço de coleta de animais mortos | Foto: Montagem
Esses são os números da Comurg para solicitação do serviço de coleta de animais mortos | Foto: Montagem

? Números

De acordo com a Comurg, só em em 2016 foram recolhidos cerca de 443 animais mortos em locais públicos e cerca de 56 em locais particulares.

Já em 2017, foram recolhidos 328 animais em locais públicos e 124 em locais particulares.

“O descarte de animais em locais públicos é proibido. Se o contribuinte for flagrado fazendo esse tipo de ação, poderá ser autuado e multado”, destaca a companhia.

? Consequências 

Ainda é comum encontrar restos mortais de animais em vias públicas ou terrenos baldios.

A prática, além do forte odor, pode provocar acidentes, dependendo do local em que foram deixados.

Ao  serem descartados nas bocas de lobo, o lixo acumulado junto com o corpo pode causar alagamentos em período de chuvas.

Se o cachorro morreu em Goiânia, a Comurg disponibliza serviço para recolhimento. Outros animais também não coletados | Foto: Divulgação
Se o cachorro morreu em Goiânia, a Comurg disponibliza serviço para recolhimento. Outros animais também não coletados | Foto: Divulgação

? Cachorro morreu em Goiânia

É natural PETs tornarem-se praticamente membros da família. Quando eles morrem, o carinho desenvolvido pela família impede que eles sejam descartados em qualquer local, de modo que costumam ser enterrados no quintal de casa, por exemplo.

No entanto, essa prática, sem procedimentos básicos, não é a correta.

Se mal descartados, os restos mortais do animal podem poluir o solo e afetar o lençol freático.

Se o cachorro morreu em Goiânia, equipes especializadas nesse procedimento devem ser acionadas para recolher o corpo e destiná-lo de forma correta.

? Procedimento correto

O procedimento adequado é o da compostagem impermeabilizada, na qual são ultilizadas bactérias e fungos para a decomposição do corpo.

O processo se dá com auxílio de palhas, folhas de árvores, restos de poda, restos de madeira e até jornais.

Uma primeira camada de palhas é posta numa caixa selada, que serve como fonte de carbono.

Uma outra camada, de esterco, envolve o animal morto, embalado com mais outra camada de palha.

Animais de grande porte, como cavalos e vacas, também podem ser recolhidos. O processo é feito por meio de uma pá mecânica e um caminhão para transporte | Foto: Reprodução / Prefeitura de Goiânia
Animais de grande porte, como cavalos e vacas, também podem ser recolhidos. O processo é feito por meio de uma pá mecânica e um caminhão para transporte | Foto: Reprodução / Prefeitura de Goiânia

? Desafios

Quando um cachorro morreu em Goiânia, por exemplo, a situação é mais delicada.

Mas em propriedades rurais, lidar com restos mortais é realidade costumeira.

Setores como a agropecuária são afetados pelo gargalo que há no descarte de resíduos mortais de animais.

O Brasil não possui uma regulação específica que determine um procedimento correto.

O processo de remoção de cadáveres e a subsequente destinação exigem cuidados sanitários e ambientais.

Como não há um legislação para definir e fiscalizar esse passo-a-passo, setores como a agropecuária são afetados.

Em missões internacionais, o Brasil, que tem um mercado consolidado na área de proteínas de origem animal, tem sido questionado quanto ao procedimento adotado nesse processo.

Portanto, todo o carinho destinado aos bichinhos em vida é de extrema importância também depois que eles morrem!

Tem alguma sugestão de pauta, denúncia ou reclamação? Mande para o WhatsApp do Folha Z.