Caneta espiã é encontrada no alojamento de Padre Robson

MP vai periciar o dispositivo para saber o que está gravado nele. Documentos, computadores, pen drives e telefones celulares também foram apreendidos

O Ministério Público de Goiás (MP-GO) apresentou nessa 5ª feira (10) uma caneta espiã apreendida no alojamento do padre Robson de Oliveira, investigado por suspeitas de desvios de recursos da Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe), em Trindade.

A caneta foi um dos vários equipamentos foram apreendidos durante a Operação Vendilhões, deflagrada no fim de agosto pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Caso Padre Robson: MP analisa conteúdo de caneta espiã apreendida | Foto: Divulgação/MP-GO
Caso Padre Robson: MP analisa conteúdo de caneta espiã apreendida | Foto: Divulgação/MP-GO

Entre as apreensões estão documentos, computadores, pen drives e telefones celulares.

Os dispositivos eletrônicos, agora, passam pelo procedimento denominado espelhamento na Superintendência de Polícia Técnico-Científica (SPTC).

Após esse processo, que visa manter a integridade das provas, o conteúdo obtido nos equipamentos será analisado pelos investigadores em busca de esclarecimentos sobre as transações milionárias efetuadas por representantes da Afipe ao longo dos últimos anos.

Além disso, cerca de 10 pessoas já foram ouvidas pelos investigadores.

Defesa

Advogado responsável pela defesa do padre Robson, Pedro Paulo Medeiros ressaltou que não existe qualquer irregularidade com as movimentações financeiras efetuadas em nome da Afipe.

Ele ainda afirmou que o padre ainda não foi ouvido pelo MP.

“A defesa teve acesso ao inquérito próprio apenas agora. Tão logo os advogados acessem todas as suposições do Ministério Público do Estado de Goiás, as informações necessárias serão esclarecidas. O padre Robson é o maior interessado na verdade e na transparência, tanto que já solicitou ao MP que seja ouvido, o que não foi agendado ainda”, disse o advogado.

Em entrevista ao Fantástico, padre Robson negou qualquer irregularidade na gestão das finanças da Afipe ou dos recursos destinados às obras do santuário.

“Respeito muito o Ministério Público, mas acredito que eles vão constatar que não existe essa ação”, afirmou.

O religioso ainda argumentou que nunca usufruiu do dinheiro recebido pela instituição para prazeres pessoais.

“Não tenho nada no meu nome. Não tenho patrimônio. Falam de casa de luxo, mas são ambientes bons para descansar, sobreviver e descansar”, disse.

Padre Robson em entrevista ao Fantástico | Foto: Reprodução/Rede Globo
Padre Robson em entrevista ao Fantástico | Foto: Reprodução/Rede Globo

LEIA MAIS 👉 MP aponta compra de 50 fazendas pela Afipe, uma delas de R$ 90 MI


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook