Caso Daniel: vídeo mostra últimos momentos de vida do jogador

Principal suspeito do crime depôs nesta quinta, 7, e negou primeira versão que deu à polícia

Vídeo mostra últimos momentos de vida de Daniel em boate | Foto: Reprodução
Vídeo mostra últimos momentos de vida de Daniel em boate | Foto: Reprodução

Doze dias após a morte do ex-jogador Daniel, viralizaram nas redes sociais vídeos que mostram os últimos momentos de vida do rapaz antes do seu assassinato.

As imagens mostram o atleta em uma boate no dia 28 de outubro.

No local, era comemorado o aniversário Allana Brittes, filha do principal suspeito do crime, Edison Brittes.

Confira as imagens, em que aparece Daniel e outro amigo na casa de dança:

Ruf Medicina 300 x 250

Também repercute outro vídeo, gravado na casa de Edison no “after party” da comemoração.

Após saírem da boate, os convidados foram até a residência para seguirem a festa.

Veja no vídeo:

A gravação das imagens na casa de Edison foi feita por volta das 8h18 da manhã do domingo, 28.

Desse modo, a investigação acredita que o vídeo foi feito no momento em que Daniel ainda estava na casa.

Segundo foi levantado, o jogador trocou mensagens com um amigo no início da manhã e enviou uma foto sua na cama ao lado de Cristiana Brittes, esposa de Edison.

Foto tirada pelo celular de Daniel pode ter motivado o crime | Foto: celular Daniel
Foto tirada pelo celular de Daniel pode ter motivado o crime | Foto: celular Daniel

Depoimento de Edison Brittes

Em depoimento na tarde da última quarta, 7, Edison negou a primeira versão que havia dado à polícia.

Antes, ele havia confessado o assassinato, que alegou ter cometido após flagrar Daniel tentando estuprar sua esposa.

No novo relato, porém, ele disse que mentiu sobre a autoria do crime.

Tudo isso, segundo ele, para proteger outras testemunhas do crime.

Edison afirmou encontrar as testemunhas para assumir a responsabilidade pelo crime | Foto: reprodução
Edison afirmou ter encontrado as testemunhas para assumir a responsabilidade pelo crime | Foto: reprodução

Essas testemunhas seriam irmãos gêmeos, filhos de um casal de políticos de São José dos Pinhais (PR).

Para a polícia, Edison afirmou que somente um dos irmãos participou da agressão.

No entanto, ele disse que não sabe dizer com precisão qual dos dois seria o culpado.

‘Susto’

Conhecido “Juninho Riqueza”, o suspeito ainda disse no depoimento que queria apenas dar um susto em Daniel.

O objetivo era fazer com que o rapaz ficasse envergonhado por ter cometido a tentativa de estupro.

Para isso, um dos irmãos suspeitos teria retirado a cueca de Daniel, que seria obrigado a andar nu pelas ruas de São José dos Pinhais.

Edison, porém, negou-se a apontar o real autor do crime, dizendo que esperaria pelo resultado da perícia.

Atualização do Caso Daniel

Dois suspeitos, que estavam foragidos, se apresentaram à polícia na manhã desta quinta-feira, 8.

Igor King, 19, e David Willian Villeroy da Silva, 18, estavam foragidos após terem a prisão decretada na última quarta, 7.

Os advogados de Igor e David, Robson Domacoski e Allan Smaniotto, negam a participação dos clientes no crime, mas admitem que ambos entraram no carro juntamente com Edison e a vítima no dia do crime.

“Eles não participaram da morte do jogador. Eles estavam no carro, mas da morte não participaram. Eles ficaram amedrontados”, afirmou Smaniotto.

Todos os suspeitos seguem detidos.

LEIA MAIS: Delegado diz que Brittes mentem sobre morte de Daniel, ex-São Paulo


Acompanhe tudo que acontece em Goiânia seguindo o Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)