Comerciantes da T-7 garantem que movimento caiu 60% após início das obras

Avenida T-7 deve ficar pronta no final de outubro (Foto: Guilherme Coelho)
Avenida T-7 deve ficar pronta no final de outubro (Foto: Guilherme Coelho)

Ansiedade, medo, revolta e prejuízo. Esse é o misto de sentimentos dos comerciantes da Avenida T-7 e da continuação da via, a Avenida C-4, no Jardim América, em Goiânia.

O motivo é a obra do corredor preferencial do transporte coletivo, realizada pela prefeitura da capital, que tem incomodado e feito o faturamento cair drasticamente. Dona de um pet shop, Edivânia Lacerda afirmou que atendia em média 10 clientes dia e agora, no máximo, 4.

Ela questiona a demora, mas já se preocupa com o futuro. Para a comerciante, o problema será depois sem as vagas de estacionamento na via. “A SMT já me avisou que os clientes não poderão parar na calçada, pois o tamanho do recuo é pequeno”, frisou Edivânia.

A empresária garante que muitos clientes já reclamaram a dificuldade de acesso ao estabelecimento. “Pra estacionar é difícil”, pontua.

Queda de 60%; comerciantes não são contra as obras…

Com um discurso muito parecido, o gerente comercial do Empório Della, Sandro Marcos, garante que pouco mais de um mês após o início da obra, já houve uma queda de 60% no movimento. Ele explica que a despesa do estabelecimento é grande, principalmente com funcionários, que são mais de 200.

Gerente da Della, Sandro Marcos, conversa com os repórteres Pedro Paulo e Marco Faleiro (Foto: Guilherme Coelho)
Gerente da Della, Sandro Marcos, conversa com os repórteres Pedro Paulo e Marco Faleiro (Foto: Guilherme Coelho)

Para Sandro, que se mostrou favorável às obras, o problema é o prazo. “Haverá melhorias e há necessidade de se fazer esse investimento. Será benéfico para todos, mas 70 dias pesa”, declara.

Prazo prolongado

Ele afirmou também que inicialmente seriam 40 dias de obras, com término previsto para dia 27 de setembro, mas que já houve um acréscimo de 30 dias e sem garantias para o fim da intervenção.

“Fomos pegos de surpresa com essa prorrogação das obras. Estávamos preparados para ficar apenas 40 dias nessa situação”, reclama. Sandro garante que em nenhum momento alguém da prefeitura apareceu, nem mesmo para comunicar que a intervenção continuaria após o prazo inicial. “Eles não querem resolver o nosso problema. O nosso contato é com a construtora”, esbraveja.

“Os clientes tem reclamado por causa da dificuldade para chegar à panificadora”, ressalta. Outro questionamento é quanto aos trabalhadores. “Eles não trabalham feriado, final de semana e nem à noite”, pontua.

Obras

A interdição para o corredor preferencial começou dia 8 de agosto. A interdição vai da Avenida T-2 até o supermercado Tatico, localizado no cruzamento das avenidas C-205 e C-4, no sentido centro/bairro. A nova previsão de entrega é dia 27 de outubro.

Comentários do Facebook