Criança é bem tratada, diz Conselho Tutelar sobre vídeo em Trindade

Imagens do garoto de dois anos comendo ração canina tomou conta das redes sociais e causou indignação entre os internautas | Foto: Reprodução
Imagens do garoto de dois anos comendo ração canina tomou conta das redes sociais e causou indignação entre os internautas | Foto: Reprodução

Na tarde desta quinta-feira, 5, uma comissão do Conselho Tutelar esteve na casa da criança que apareceu em vídeo comendo ração canina em Trindade (GO).

O vídeo estourou nas redes socias nesta quarta-feira, 4.

O caso foi denunciado à Polícia Civil pela avó paterna do garoto.

Em entrevista ao Folha Z, a conselheira Kátia Francisca contou que a criança, de 2 anos, estava no ‘momento da visita’ sob bons tratos.

Unifan Bolsas de até 70% – 300×250

É a primeira vez que o Conselho Tutelar de Trindade visita a família.

De acordo com ela, a mãe disse que o vídeo foi gravado em uma brincadeira e que, em seguida, enviou para a avó paterna do garoto.

Indignada,  a avó teria repassado as cenas para outras pessoas.

Kátia relatou que no momento da visita a criança estava muito alegre e assistia a um vídeo em um celular.

O garotinho chegou a brincar com a equipe.

Promotora Alessandra Melo, do Ministério Público, encabeça a análise do relatório enviado pelo Conselho Tutelar | Foto: Reprodução
Promotora Alessandra Melo, do Ministério Público, encabeça a análise do relatório enviado pelo Conselho Tutelar | Foto: Reprodução

Agora a promotora Alessandra Melo, do Ministério Público de Goiás, analisa os relatórios enviados pelo Conselho Tutelar.

Procurada pela reportagem, ela informou que ainda não há prazo para a conclusão da leitura do arquivo.

Caso a decisão seja a retirada da guarda materna e paterna da criança, a tutela familiar pode ser transferida para outro parente que tenha interesse em adotá-la.

Em último caso, o garoto pode ser lotado em abrigo até que seja adotado.

Investigação

Delegado Vicente Gravina é o responsável pelas investigações do caso | Foto: Reprodução
Delegado Vicente Gravina é o responsável pelas investigações do caso | Foto: Reprodução

O delegado Vicente Gravina, responsável pela investigação do caso na Polícia Civil, disse ao Folha Z que começou a receber os envolvidos do ocorrido na tarde desta quinta-feira, 5.

“O vídeo chegou ontem à delegacia. Tudo aponta foi gravado recentemente e enviando para quatro pessoas da família, uma delas ficou indignada e denunciou o caso”, disse.

Ainda de acordo com o delegado, a expectaviva é que o inquérito seja concluído até a próxima semana.

Se condenados, os envolvidos podem responder por constrangimento de crianças e adolescentes, cujas penas variam entre seis meses e dois anos de prisão.

Ninguém foi preso até o momento, pois não houve flagrante.

Repercussão

Nas cenas, a criança aparece deitada no chão aparentemente comendo ração de um cachorro da família.

A mãe brinca com a situação. “Oh, menino, cê num vai almoçar não?” diz no vídeo.

A criança, de 2 anos, tem uma deficiência motora ainda não identificada.

Ele faz tratamento com fisioterapeuta e tem acompanhamento médico constante.

Em entrevista o G1, os pais alegam tratar-se de uma brincadeira e temem sair às ruas com medo de repressão.

A advogada da mãe e da tia-avó do menino, Márcia Gabrielle Sampaio Carvalho, disse, em nota, que a situação não configura “qualquer intenção pejorativa ou maldosa”, uma vez que se tratava de uma brincadeira.

Ela destacou também que a criança “é muito amada e cuidada por todos que a cercam”.

A advogada alega ainda que a avó paterna distorceu os fatos, e que a denúncia foi feita por “crueldade e irresponsabilidade”.

Nota de Esclarecimento da Família

É como muita tristeza que a família perplexa assiste à divulgação do vídeo nos meios de comunicação, sem qualquer cuidado com a imagem da criança e de seus familiares.

De fato, não houve qualquer intenção pejorativa ou maldosa na gravação das imagens, uma vez que a criança é muito amada e cuidada por todos que o cercam.

Por crueldade e irresponsabilidade de sua avó paterna que, ao ter acesso ao vídeo em um grupo familiar, distorceu os fatos e lançou as imagens nas redes sociais de forma negativa, ganhando interpretação diversa do contexto real das gravações.

Este fato está causando grande sofrimento e dor em todos que o cercam e dedicam integralmente seus dias em prol do seu bem estar.

Desde já deixo registrado que a criança é bastante amada, bem cuidada e feliz, fato este que pôde ser claramente comprovado hoje após a visita do CONSELHO TUTELAR E CRAS.

===============

Quer receber mais notícias em tempo real?

Mande uma mensagem para o Whatsapp do Folha Z e se cadastre para ter as matérias especiais do Folha Z direto do seu celular!

É só adicionar o telefone do jornal à sua agenda e mandar o seu nome e a seguinte mensagem: “quero notícias em tempo real”.