Depilação masculina: é dos “carecas” que elas gostam mais?

Cresce procura pela depilação masculina no país | Foto ilustrativa
Cresce procura pela depilação masculina no país | Foto ilustrativa

O século 21 chegou e trouxe novos conceitos e comportamentos na sociedade de modo geral. Em 2015, um levantamento da consultoria Nielsen revelou que o público masculino foi responsável por 35% dos gastos com higiene e produtos para a beleza no Brasil naquele ano e cresce a procura pela depilação masculina.

E os rapazes não estão apenas comprando mais shampoos ou perfumes, porém também têm aderido a tratamentos antes feitos quase exclusivamente pelas mulheres. A depilação está entre eles.

O jornalista Luciano Magalhãs Diniz afirma que essa prática independe da orientação sexual do homem. “A depilação não depende de ser do gênero masculino ou feminino, e sim da higiene pessoal. Uns têm, outros não”.

publicidade

Segundo a esteticista Vanessa Chaves, a depilação deve ser realizada quando não traz malefícios ao homem. “É importante observar quando o homem não tem foliculite (pelo encravado). Nesse caso, deve-se tomar bastante cuidado ao fazer a depilação”, explicou.

LEIA MAIS: Armas de guerra são furtadas dentro de Batalhão da PM em Goiás

Muitos são os métodos depilatórios existentes no mercado – de cera fria e quente a cremes de depilação, lâminas e máquinas de barbear e até pinças. Mas, de acordo com Vanessa, a depilação a laser é o método mais indicado.

“Ela pode até ser mais cara, porém é mais eficiente. Enquanto se faz dez sessões a cada 60 dias e os pelos cessam, a cera é uma vez por mês e sempre nascerão os pelos”, ponderou.

Ela destacou também que, após a depilação, é preciso passar protetor solar, pois a pele fica frágil. “O paciente deve passar protetor solar, pois os poros estão mais abertos e por isso a pele fica sensível”, disse.

O que elas acham?

E quem gosta dessa iniciativa são as mulheres. A assistente administrativa Maria Eugenia disse que considera higiênico: “Essencial, pois a higiene está acima de tudo, tanto masculina quanta feminina”. Quem concordou com ela foi a estudante de jornalismo Thaynara Neres, que condenou a ideia de que quem depila são só os homossexuais. “Muitos falam que é coisa de gay. Mas não acho. Isso é higienização”, afirmou.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter