Desigualdade: 10 milhões de brasileiros vivem com 51 reais por mês

Brasileiro vende o almoço para comprar a "janta", quando possível. Número de ambulantes que comercializam alimentos sobe 510% e reforça buraco negro na economia

Em 16 de outubro passado, comentei neste espaço que o brasileiro é duro na queda por sobreviver, em média, com 413 reais por mês.

Essa é a realidade para 104 milhões de pessoas (50%) em todo o país. Outras 10,4 milhões (5%) se viram, se isso é possível, com 51 reais.

Volto ao tema para constatar, infelizmente, que a terrível desigualdade de renda entre ricos e pobres tende a aumentar ainda mais.

Economia fraca, pouco dinheiro no bolso e 12 milhões de desempregados contribuíram para o aumento do número de ambulantes informais vendendo alimentos.

Qualquer um enxerga a variedade do cardápio nas ruas: espetinho, sanduíche, jantinha, frango assado, salgadinho, salada light e doce pra todo lado.

Até produtor rural passou a vender iguarias da roça em sinaleiro, expostas na carroceria da caminhonete.

Terrível desigualdade de renda entre ricos e pobres tende a aumentar ainda mais | Foto: Fernando Frazão/ Agência Brasil
Terrível desigualdade de renda entre ricos e pobres tende a aumentar ainda mais | Foto: Fernando Frazão/ Agência Brasil

Sobrevivência

O crescimento de ambulantes informais voltados para alimentação no Brasil, no período entre 2015 e 2019, foi de 510% – de 78,4 mil para 478,3 mil.

Sim, a necessidade extrema tem pavimentado o caminho da sobrevivência em direção ao estômago do próximo.

Quem se vê obrigado a abdicar da refeição é o próprio ambulante. Geralmente para manter a condição de quitar dívidas e comprar remédios.

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), supervisionada pelo IBGE, mostra-se cirúrgica ao apontar o tamanho do buraco negro em que a maioria dos brasileiros está inserida.

Enquanto isso, a discussão dominante é o aumento do limite de saque do FGTS de 500 reais para 998 reais a fim de “esquentar” a economia. Ou seja, um pingo no oceano de desilusões.

Mas como não há limite para o otimismo e esperança do brasileiro, recorro à letra do cantor Ivan Lins para lembrar que nada está perdido:

“Desesperar, jamais.

Aprendemos muito nestes anos.

Afinal de contas, não tem cabimento.

Entregar o jogo no primeiro tempo…”

Desafio gigantesco. Segue o jogo.

Matheus leva um pouco de Jackson para bancada do JN


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook