Do que as mulheres gostam?

Caíque Carvalho combinou de não trocar presentes com a parceira na data
Caíque Carvalho combinou de não trocar presentes com a parceira na data

Presentear não é prova de amor. E as namoradas querem mais que isso

Por Fernanda Kalaoun

Há uns quinze anos, me recordo de sentar na cadeira do cinema para assistir ao filme estrelado por Mel Gibson, Do Que As Mulheres Gostam. Daquelas típicas comédias americanas com um toque de romantismo. Legalzinho mesmo. Mel Gibson interpreta um publicitário bem-sucedido, sedutor e machista, que após levar um choque elétrico, envolvendo um secador de cabelos e uma banheira cheia de água, recebe o ambicionado dom de ler os pensamentos das mulheres.

Que homem nunca quis esse dom, não é mesmo? A mulherada é sempre alvo de análises, críticas e piadas por conta dessa vocação natural para complicar coisas, quem dirá relacionamentos. E, ainda, circulam ditos populares maldosos que mulher não gosta de homem, mas de dinheiro. Será verdade?

Unifan Bolsas de até 70% – 300×250

E todas essas campanhas publicitárias de Dia dos Namorados deixam mesmo os rapazes com a pulga atrás da orelha. “Se eu não comprar presente, minha namorada vai pensar que não a amo de verdade”, agonizam os homens. Claro que a comemoração é puro oportunismo do mercado consumidor. Todo mundo sabe, inclusive sua namorada. Mesmo assim, presentear ainda dá a sensação de ser sinônimo de se importar.

Acordo entre casal

Felizes são os casais que compreendem que o sentimento está acima de qualquer bem material ou do consumismo de ocasião. O produtor de agência publicitária Caíque Carvalho, 20, contou que já deixou de presentear seu par. Entretanto, a parceira não reagiu mal. “Combinamos de não dar nada um para o outro. Decidimos fazer algo romântico juntos”, disse. “Prefiro a presença da pessoa amada que um presente”, declarou.

A jornalista Cristiane Alves Moreira, 31, confessa que ficaria chateada caso o namorado não a presenteasse na data.  “Ele teria de me dar uma explicação”, disse. Cristiane contou que já deixou de receber, porém houve um acordo prévio comum entre o casal. Neste ano, a jornalista vai comemorar o feriado. “Espero que meu namorado torne o dia ou a noite romântica. Se possível, um jantar ou almoço especial”, afirmou.

Agrados

De acordo com  a psicóloga e psicoterapeuta de casal e família Cirene Valadão, dar presentes é, sim, uma forma de demonstrar amor. “Presentear como um meio de expressar afeto, consideração,  é um comportamento universal, desde que o mundo é mundo. É natural desejar agradar a quem se ama e o ato de presentear a pessoa amada é sempre muito positivo”, conta.

Segundo a psicoterapeuta, pessoas do sexo feminino se importam mais com presentes, mas não é por interesse. “A mulher, por ter uma característica mais romântica, mais presa em detalhes, tem a tendência de dar valor especial à essas formas de amor expressas por presentes, que nem sempre precisam ser caros”, disse. “Pequenos gestos como levar um bombom, uma flor, um bilhetinho, também são  valorizados pela mulher”, esclareceu Cirene.

Para os que optaram por não presentear o parceiro, há outras maneiras de fazer com que a pessoa se sinta querida. “Bilhetes, cartas, uma bonita declaração de amor, preparar um café, ou jantar especial, ouvir o que o outro tem a dizer. Tudo isso reflete o amor de forma prática”. Embora as moças se deleitem com os agradinhos dos namorados, o que elas realmente procuram, segundo a especialista, é amor, cumplicidade, lealdade e comprometimento.