É possível eliminar a carne do prato e comer bem

Restaurantes veganos estão em alta. E não é comida “sem sabor”, como leigos pensam; são elaborados pratos e alta gastronomia

Fatuch: salada árabe, com pepino, tomate, folhas de hortelã, cebola e pão sírio picado e assado
Fatuch: salada árabe, com pepino, tomate, folhas de hortelã, cebola e pão sírio picado e assado

Por Marco Faleiro

A cada ano que passa, o veganismo ganha mais adeptos ao redor do mundo. E em Goiânia não é diferente. Os veganos, como são conhecidos os praticantes da dieta e do estilo de vida, já têm uma variada lista de opções de restaurantes na cidade. E não é comida “sem sabor”, como pensam os leigos; existem elaborados pratos e alta gastronomia.

publicidade

É justamente no Jardim América que fica localizado o primeiro restaurante da cidade com cardápio vegano. Entre as iguarias do Loving Hut, o cliente pode pedir frango, presunto e salsicha de soja, panqueca, fricassê e até feijoada. A proprietária, Solange Guida, conta que houve crescimento expressivo na clientela nos últimos anos: “temos clientes novos todos os dias e eles sempre acabam voltando”.

Alternativas

Quem não está habituado se surpreende com a quantidade de pratos preparados sem nenhum elemento de origem animal: pizza de alcachofra com alga, esfiha de queijo de quinoa e milho, espaguete com berinjela e nhoque de legumes. E os nutricionistas ainda garantem que a carne, muitas vezes, é uma fonte ruim de nutrição. Enquanto o substituto feito de trigo oferece 70% de proteína, a carne cozida, assada ou frita não passa dos 20%.

Selo orgânico

Solange-Guida-9
Solange Guida é chef de cozinha e vegana há 5 anos

Para Solange, que já tem 10 anos de vegetarianismo e 5 de veganismo, as pessoas ficaram mais preocupadas com a qualidade daquilo que levam ao prato. “O alimento oferecido com o selo orgânico ou natural é de procedência muito mais confiável do que a da maioria dos outros produtos”, destaca.

O que é?

Veganismo é um passo além do vegetarianismo. Enquanto o último consiste na remoção da carne animal do cardápio, o primeiro defende o consumo exclusivo de alimentos de origem vegetal. Dessa maneira, veganos não comem ovos, leite, mel e nenhum dos seus derivados. Outras vertentes da prática defendem também o boicote às empresas que fazem testes de produtos em animais.

Mas, antes de abandonar a carne, a cozinheira especializada em comida vegana Solange ressalta que é preciso conhecimento e habilidade. “A comida vegana exige uma preparação um pouco diferente da gastronomia corriqueira”, diz. E é também por isso que o Loving Hut oferece produtos semiprontos para que o interessado prepare em casa durante a semana e até cursos de cozinha saudável. “Não tem mais desculpa pra comer mal”, brinca.