Família de Walisson chegou a juntar tudo que tinha para oferecer uma recompensa de R$ 5 mil por qualquer informação que ajudasse a solucionar o caso | Foto: Sgt. Luiza / PMGO
Família de Walisson chegou a juntar tudo que tinha para oferecer uma recompensa de R$ 5 mil por qualquer informação que ajudasse a solucionar o caso | Foto: Sgt. Luiza / PMGO

Em menos de 10 dias, a morte de Walisson Miranda da Costa completará 3 meses. E, no inquérito policial, ainda nenhuma resposta foi produzida.

Morto no dia 22 de setembro dentro de uma viatura descaracterizada com um tiro na cabeça, Walisson deixou mãe, irmã e sobrinhos.

Anísia Francisca, aos 50 anos, luta incansavelmente para ver um desfecho minimamente parecido com Justiça para essa história.

Recompensa de R$ 5 mil é oferecida para quem tiver informações que ajudem a identificar o autor do assassinato do soldado da PM Walisson Miranda. Na imagem, mãe de Walisson pede esclarecimentos sobre a morte do filho | Foto: Reprodução / TV Anhanguera
Recompensa de R$ 5 mil é oferecida para quem tiver informações que ajudem a identificar o autor do assassinato do soldado da PM Walisson Miranda. Na imagem, mãe de Walisson pede esclarecimentos sobre a morte do filho | Foto: Reprodução / TV Anhanguera

A família de Walisson chegou a juntar tudo que tinha (e que não tinha) para oferecer uma recompensa de R$ 5 mil por qualquer informação que ajudasse a solucionar o caso.

Eles fizeram passeatas, entrevistas para a TV, apelos de toda sorte.

Mas, até agora, silêncio do órgão investigador, a Polícia Civil, e também da corporação cuja farda Walisson vestia, a Polícia Militar.

Delegados se limitam a classificar o caso como “complexo”. E o inquérito já tem cerca de 500 páginas, mas nenhuma prisão.

Com 2019 chegando ao fim, essa família está prestes a viver uma das ceias de Natal mais tristes da sua vida.

Família do soldado Walisson protesta por justiça


Acompanhe tudo que acontece em Aparecida de Goiânia seguindo a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook