Esse dinheiro não influencia minha vida, explica padre que é suspeito de ser funcionário fantasma da Assembleia

Padre Luiz Augusto se defende e diz que não utiliza o dinheiro que recebe da Assembleia
Padre Luiz Augusto se defende e diz que não utiliza o dinheiro que recebe da Assembleia

O padre Luiz Augusto, em entrevista ao Jornal O Popular, não escondeu que é funcionário efetivo da Assembleia Legislativa de Goiás e que está de licença há 20 anos, mas se defendeu.

“Fui oito vezes na Assembleia para me demitir, mas sempre tive o apoio da Casa para não fazer isso”, explica o padre.

Questionado pelo jornal sobre quantas licenças já tirou, Luiz Augusto não respondeu a pergunta, mas esclareceu que sempre manteve o vínculo com a Assembleia para não perder o plano de saúde do Ipasgo. Segundo o padre, há cinco dependentes em seu nome e ele cuida dessas pessoas.

publicidade

Já em relação ao salário afirmou não saber quanto ganha ou quanto tem na conta. O padre Luiz Augusto também declarou não usar o dinheiro. “Quero construir uma chácara para dependentes químicos. Esse dinheiro não influencia minha vida”, explica.

Ao final da entrevista, o padre reitera o motivo para manter o cargo na Assembleia. “A coisa que eu uso em benefício meu é o Ipasgo, é o salário que eu uso.”