Delegada diz que estudante não mentiu sobre suposto estupro na UFG

inquerito-estupro-ufg-delegada
Delegada não descartou possibilidade de estupro |Foto: Reprodução/Circuito Interno UFG

O inquérito policial sobre possível estupro na Universidade Federal de Goiás (UFG) ainda continua em fase de investigação na Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher (DEAM).

Segundo a delegada responsável pelo caso, Ana Elisa, a Polícia Civil (PC) aguarda o laudo da calcinha encontrada no banheiro da Faculdade de Informação e Comunicação (FIC).

A delegada afirmou que o estudante Daniel Bezerra não mentiu completamente a respeito do caso, porém aumentou e omitiu uma testemunha. “Ele admite que exagerou”, disse ela.

“O que eu tenho de fato é que o Daniel virou a câmera, mentiu e que eu não tenho uma vítima identificada”, admitiu a delegada.

Sabe-se que na calcinha encontrada há vestígios de fezes, porém só o laudo para apontar se há sêmen. “Pode ter sido sexo consentido, pode ter sido estupro. Não posso descartar nada, achando ou não sêmen,” afirmou Ana Elisa.

LEIA MAIS: Polícia apresenta homem que agredia e furtava a própria mãe de 65 anos

Caso

O caso veio à tona após o estudante de Relações Públicas (RP) da UFG Daniel Bezerra divulgar no próprio perfil do Twitter a denúncia. Dias seguintes, diante da grande repercussão, a DEAM começou as investigações. Daniel, a princípio, havia informado que viu uma jovem saindo do prédio da FIC vítima de um estupro, chorando e dopada.

No entanto, as investigações deduziram que o estudante mentiu ao perceber que ele mudou a direção de uma câmera de segurança, a única que estava voltada ao banheiro, de onde a garota teria saído.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter

Comentários do Facebook