Justiça manda prender jovem que, segundo investigação, estuprou, matou e queimou corpo de mãe em MS | Foto: Divulgação / Serviço de Investigações Gerais
Justiça manda prender jovem que, segundo investigação, estuprou, matou e queimou corpo de mãe em MS | Foto: Divulgação / Serviço de Investigações Gerais

Foi preso na manhã de sábado, 28, um jovem de 19 anos que confessou que estuprou e matou a própria mãe a facadas em Dourados (MS).

Após o assassinato, o corpo da vítima ainda foi incendiado. Os fatos ocorreram na última segunda, 23, na casa do namorado da vítima.

De acordo com as investigações, a motivação do crime foi o fato de Marina Cabreira, de 42 anos, recusar-se a dar R$ 10 para o filho.

Foi o delegado Rodolfo Daltro, do Serviço de Investigações Gerais (SIG), quem pediu a prisão preventiva do suspeito.

Segundo o investigador, o jovem relatou o ocorrido durante depoimento após sua prisão.

Ele teria apontado que a mãe dormia no chão da sala, embriagada, quando ele começou a estuprá-la.

Durante o estupro, a vítima acordou, sendo esfaqueada na sequência.

De acordo com o delegado, o jovem também confessou que, após matar a mãe, ateou fogo no corpo.

Ao sair da casa, ele ainda teria furtado um rádio do namorado da mulher.

Marina foi morta a facadas pelo filho e teve o corpo queimado porque teria negado R$ 10 a ele, em Dourados | Foto: Dourados News
Marina foi morta a facadas pelo filho e teve o corpo queimado porque teria negado R$ 10 a ele, em Dourados | Foto: Dourados News

A investigação

O corpo de Marina foi encontrado incendiado dentro de casa com perfurações no tórax.

Conforme apurou a Polícia Civil, ela, seu filho e o namorado consumiam bebidas alcoólicas no local no dia do crime.

O filho, ao prestar depoimento no dia 24, apontou o namorado da mãe como autor do homicídio.

Já o homem afirmou que dormiu após ingerir álcool e só acordo quando sentiu cheiro de fumaça.

“Ela estava dormindo, embriagada, quando foi estuprada. Aí, acordou. Para não ser denunciado, Paulinho pegou uma faca e desferiu dois golpes contra ela. Depois, queimou o corpo. Não se descarta a possibilidade de ainda estar viva quando foi queimada”, afirmou o delegado.

Caso Walisson é transferido para a Delegacia de Homicídios de Goiânia


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook