Filho faz denúncia em rede social contra violência doméstica sofrida pela mãe

As agressões que Fabiane sofreu foram divulgadas pelos filhos no Facebook | Foto: Reprodução / Facebook
As agressões que Fabiane sofreu foram divulgadas pelo filho no Facebook | Foto: Reprodução / Facebook

Um garoto usou seu perfil na rede social Facebook para denunciar a agressão que sua mãe sofreu do pai, que teria lhe dado um soco no nariz. Na foto que publicou da mãe Fabiane Boldrini, de 34 anos, o rosto da mulher está ensanguentado. O filho afirma que foi o próprio pai, o sargento do exército Joel Jorge, de 43 anos, que agrediu a mãe por não aceitar o pedido de separação dos dois.

A postagem foi feita no último domingo (26) e tem mais de 4.500 compartilhamentos no Facebook. “Por mais que ele tente se explicar, isso que ele fez não tem justificativa. Ela é vitima dele por muitos anos. Ele fraturou o nariz dela com um soco porque ela disse que não queria mais viver com ele, aguentando tudo”, publicou o garoto.

De acordo a vítima, os filhos postaram as fotos no Facebook pois temem o pior. Fabiane é casada com Joel há 16 anos e conta que os três filhos do casal, de 7, 11 e 14 anos, já viram várias agressões dentro de casa, inclusive uma do último dia 29. Segundo Fabiane, Joel teria chegado bêbado em casa e ela decidiu pedir a separação.

“Quando eu disse que queria me separar, ele começou a apertar meu rosto com força, me machucando. Eu tentei morder a mão dele para que me soltasse, então ele já veio me dando socos. Foi horrível. E meus filhos viram tudo”, contou a boleira Fabiane. O filho mais velho teria feito a primeira postagem no Facebook, mas foi apagada por algum motivo. Então, o garoto de 11 anos republicou as imagens.

LEIA MAIS: Papa Francisco diz que Igreja deve perdoar os homossexuais

Ameaçador e controlador

No mesmo dia da agressão, a vítima fez um registro de ocorrência relatando o caso na 31º DP do Rio de Janeiro. Desde então, Fabiane está vivendo separado do marido, mas Joel continua lhe fazendo ameaças e controlando seus passos.

“Eu fui na delegacia, fiz o exame de corpo de delito e lá mandaram eu esperar um mês para telefonar e saber o que ia acontecer. Mas ele continuou me ameaçando. E as pessoas todas me aconselhando a divulgar porque ele poderia até me matar” diz Fabiane. Ninguém na 31ª DP a aconselhou a procurar a Delegacia da Mulher “Vou até a Deam porque meu irmão disse que lá vou ser atendida por mulheres, que vão entender meu caso”.

Histórico violento

Fabiane afirma que já fez dois registros denunciando o marido: um em 2007 e outro em setembro de 2015, quando Joel tentou estrangulá-la. As agressões, de acordo com a vítima, começaram no início do casamento, mas ela não tinha coragem para contar para amigos e família.

“A coisa foi piorando aos poucos”, Fabiane contou. “Ele fazia violência psicológica comigo, dizia que eu nunca ia deixá-lo porque ninguém ia querer uma mulher com três filhos. Sempre que bebia, voltava para casa agressivo e várias vezes me batia. Mas depois voltava, pedia desculpas e dizia que isso não ia mais acontecer. Eu pensava nos meus filhos e perdoava. Mas desta vez foi a pior. As pessoas não sabem o que eu sofria entre quatro paredes”, desabafou ela. Fabiane teme ser morta pelo ex-marido.

Comentários do Facebook