“Gay, tem que matar essa desgraça”, diz médico em agressão a casal em Goiânia

Vídeo que circula pela internet mostra um homem propagando preconceito e discurso de ódio em Goiânia. Ele diz “gay, tem que matar” nas imagens capturadas no Centro da cidade. O homem era o pneumologista Ricardo Dourado e as agredidas eram um casal de lésbicas.

As vítimas registraram ocorrência no 1º Distrito Policial, denunciando as agressões verbais feitas pelo médico em um posto de combustíveis na Praça Cívica, no Centro de Goiânia, na madrugada de quarta-feira (15).

LEIA MAIS: Wesley Safadão é acusado de calote de R$ 1,5 milhão

Enquanto o médico falava, uma das vítimas discretamente registrou o momento com o celular. No vídeo, Ricardo diz: “Veado, gay, se pegar, tem que matar. O mundo não é pra isso, as aberrações, esquece isso”.

As agressões foram gravadas pela agente de turismo Angélica Santana e publicadas nas redes sociais.

Em entrevista ao portal G1, a agente de turismo Angélica Santana relatou que estava com a namorada e uma amiga em um quiosque quando o pneumologista chegou. Ele teria passado as mãos nas costas dela e, depois que as mulheres rechaçaram a atitude, o médico começou a agredi-las.

Ricardo

Ricardo não nega que tenha se envolvido na situação, mas tentou se justificar dizendo que o casal “se exibia” e teria apenas reagido a uma provocação. Ele, no entanto, afirmou não se lembrar exatamente do que disse por estar sob o efeito de álcool no momento.

LEIA MAIS: Ex-diretora pode ter desviado mais de R$ 2 milhões da Secretaria de Saúde de Aparecida de Goiânia

Delegado responsável pelo caso, Isaias Pinheiro disse que ouviu as vítimas na noite dessa quarta-feira (15) e intimou o médico a depor nesta sexta-feira (17). “As vítimas possuem mais vídeos que serão entregues à polícia. Elas ficaram de passar as imagens para uma mídia e entregar”, contou.

O agressor pode responder por ameaça, perturbação e injúria. A ingestão de álcool não desqualifica o crime.

Comentários do Facebook