Gregorio Duvivier publica texto romântico a ex-companheira

Gregorio se declara a Clarice Falcão em coluna |Foto: Reprodução
Gregorio se declara a Clarice Falcão em coluna |Foto: Reprodução

O comediante Gregorio Duvivier publicou uma coluna nesta segunda-feira, 12, no Jornal Folha de São Paulo, se declarando para a ex-namorada e cantora Clarice Falcão.

Intitulado “Desculpe o transtorno, preciso falar da Clarice“, o texto conta a história do relacionamento dos dois. “Sofremos com os haters, rimos com os shippers. Viajamos o mundo dividindo o fone de ouvido. Das dez músicas que mais gosto, sete foi ela que me mostrou. As outras três foi ela que compôs”, escreve Gregorio em um trecho.

Segundo a publicação, eles se conheceram na aula de dança quando eles eram adolescentes. “Mas o jazz em questão era aquela aula de dança que todas as garotas faziam nos anos 1990 –onde ouvia-se tudo menos jazz. Ela fazia jazz. Minha irmã fazia jazz. Eu não fazia jazz mas ia buscar minha irmã no jazz. Ela estava lá. Dançando”, escreveu.

LEIA MAIS: Nude de Paulo Zulu vaza na internet: “Muito abalado”, disse o apresentador

Explosão de Ofertas Tatico – 300×250

Duvivier conta ainda que, após o fim do relacionamento que durou cinco anos, ambos sofreram muito. “Choramos mais que no final de “How I Met Your Mother”. Mais que no começo de “Up”. Até hoje, não tem um lugar que eu vá em que alguém não diga, em algum momento: cadê ela? Parece que, pra sempre, ela vai fazer falta”, declarou.

Eles se conheceram na infância, cresceram juntos e começaram a namorar quando ela tinha 20 anos e ele 23. O casal despontou no canal de humor on-line Porta dos Fundos.

Em outubro do ano passado, ele divulgou uma foto em rede social homenageando Clarice Falcão.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter

Em Portugal já passou de meia-noite, o que significa que aqui já é o dia dela, o que significa que já é um dia lindo,…

Publicado por Gregorio Duvivier em Quinta, 22 de outubro de 2015

CONFIRA A PUBLICAÇÃO NA ÍNTEGRA:

Conheci ela no jazz. Essa frase pode parecer romântica se você imaginar alguém tocando Cole Porter num subsolo esfumaçado de Nova York. Mas o jazz em questão era aquela aula de dança que todas as garotas faziam nos anos 1990 –onde ouvia-se tudo menos jazz. Ela fazia jazz. Minha irmã fazia jazz. Eu não fazia jazz mas ia buscar minha irmã no jazz. Ela estava lá. Dançando. Nunca vou me esquecer: a música era “You Oughta Know”, da Alanis.

Quando as meninas se jogavam no chão, ela ficava no alto. Quando iam pra ponta dos pés, ela caía de joelhos. Quando se atiravam pro lado, trombavam com ela que se lançava pro lado oposto. Os olhos, sempre imensos e verdes, deixavam claro que ela não fazia ideia do que estava fazendo. Foi paixão à primeira vista. Só pra mim, acho.

Passamos algumas madrugadas conversando no ICQ ao som de Blink 182 e Goo Goo Dolls. De lá, migramos pro MSN. Do MSN pro Orkut, do Orkut pro inbox, do inbox pro SMS.

Começamos a namorar quando ela tinha 20 e eu 23, mas parecia que a vida começava ali. Vimos todas as séries. Algumas várias vezes. Fizemos todas as receitas existentes de risoto. Queimamos algumas panelas de comida porque a conversa tava boa. Escolhemos móveis sem pesquisar se eles passavam pela porta. Escrevemos juntos séries, peças de teatro, filmes. Fizemos uma dúzia de amigos novos e junto com eles o Porta dos Fundos. Fizemos mais de 50 curtas só nós dois —acabei de contar. Sofremos com os haters, rimos com os shippers. Viajamos o mundo dividindo o fone de ouvido. Das dez músicas que mais gosto, sete foi ela que me mostrou. As outras três foi ela que compôs. Aprendi o que era feminismo e também o que era cisgênero, gas lighting, heteronormatividade, mansplaining e outras palavras que o Word tá sublinhando de vermelho porque o Word não teve a sorte de ser casado com ela.

Um dia, terminamos. E não foi fácil. Choramos mais que no final de “How I Met Your Mother”. Mais que no começo de “Up”. Até hoje, não tem um lugar que eu vá em que alguém não diga, em algum momento: cadê ela? Parece que, pra sempre, ela vai fazer falta. Se ao menos a gente tivesse tido um filho, eu penso. Levaria pra sempre ela comigo.

Essa semana, pela primeira vez, vi o filme que a gente fez juntos —não por acaso uma história de amor. Achei que fosse chorar tudo de novo. E o que me deu foi uma felicidade muito profunda de ter vivido um grande amor na vida. E de ter esse amor documentado num filme —e em tantos vídeos, músicas e crônicas. Não falta nada.

Comentários do Facebook