João de Deus vai passar Natal na cadeia após 1 semana preso

Sua 'ceia' será junto dos outros 4 detentos do Núcleo de Custódia e terá cardápio simples

João de Deus costumava se vestir de Papai Noel para a festa de Natal da Casa da Sopa, instituição filantrópica fundada por ele para prestar assistência social a moradores de Abadiânia. Em 2018, um amigo do médium o substitui no papel | Foto: Reprodução
João de Deus costumava se vestir de Papai Noel para a festa de Natal da Casa da Sopa, instituição filantrópica fundada por ele para prestar assistência social a moradores de Abadiânia. Em 2018, um amigo do médium o substitui no papel | Foto: Reprodução

Suspeito de centenas de estupros ao longo de décadas, o médium João de Deus vai passar o Natal de 2018 na cadeia.

Teixeira de Faria completou seus primeiros 7 dias preso no último domingo, 23.

Uma semana antes, ele se entregou às autoridades policiais de Goiás em área rural nas proximidades de Abadiânia.

Como sua prisão é preventiva, ela não tem prazo para terminar.

Natal

De acordo com informações da Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP), o médium terá uma refeição comum na noite desta segunda-feira, 24, véspera de Natal.

Sua “ceia” será junto dos outros 4 detentos do Núcleo de Custódia, em Aparecida de Goiânia.

A refeição terá “arroz, feijão, salada, carne e sobremesa (fruta ou doce)”.

O jantar será servido às 18h, como de costume.

João de Deus está preso no Núcleo de Custódia do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia | Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

STF

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, ainda vai decidir sobre pedido de libertade impetrado pela defesa do médium.

Na última sexta-feira, 21, foi decretada nova prisão de João de Deus também por posse ilegal de armas de fogo.

Na semana passada, a polícia encontrou outra grande dinheiro em um endereço do suspeito.

LEIA MAIS: PC acha esconderijo em fundo falso na casa de João de Deus


Acompanhe tudo que acontece em Goiás seguindo o Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook