Jogo Limpo com Rodrigo Czepak

Rodrigo Jogo Limpo

Musa do Congresso (I)  

Manuela D'ávila (PCdoB)
Manuela D’ávila (PCdoB)

Opinião recorrente entre os deputados federais: a atual legislatura tem, no mínimo, 10 mulheres que fazem bonito no quesito beleza. Por isso é grande a expectativa em torno do concurso que vai eleger a Musa do Congresso Nacional, título que por muitos anos deu notoriedade à ex-deputada Rita Camata, hoje sem mandato, e também à deputada estadual Manuela d´Ávila (PCdoB-RS). “Publicamente, procuramos demonstrar pouco interesse, foco no trabalho legislativo, mas nos bastidores a disputa é intensa”, admite, reservada, uma deputada da região nordeste.

Musa do Congresso (II)

Até por ser mais jovem e estar em seu primeiro mandato, Clarissa Garotinho (PR-RJ), filha do ex-governador Anthony Garotinho, faz o caminho inverso e pede voto em sua página no facebook. O mesmo procedimento tem sido adotado por outras deputadas, de olho na

Rita Camata (PSDB)
Rita Camata (PSDB)

projeção que o título de Musa do Congresso poderá proporcionar no futuro. “Algumas pessoas zombam e fazem piadas utilizando o contraponto entre beleza e competência. A própria Rita Camata, entretanto, é exemplo de que as duas características podem caminhar juntas”, observa o servidor da Câmara Gérson Alves Guimarães.

Briga vai longe

A atual relação entre o vice presidente da República Michel Temer e os presidentes Eduardo Cunha (Câmara) e Renan Calheiros (Senado) tem a cara do PMDB. Farta distribuição de elogios, sorrisos e tapinha nas costas diante das câmeras e intensa troca de caneladas e alfinetadas nos bastidores. Em jogo o poder de influência junto ao governo e o comando do maior partido do país, que tem sérias pretensões de lançar candidato ao Palácio do Planalto em 2018.

Clarissa Garotinho (PR)
Clarissa Garotinho (PR)

Cada vez mais fraco                             

Só mesmo a fusão com o PTB ou outro partido pode salvar o DEM. Sem identidade oposicionista e musculatura, oito dos 22 deputados votaram com o governo a MP 665. Os líderes Mendonça Filho (Câmara) e Ronaldo Caiado (Senado), críticos ferozes do PT e da presidente Dilma, acusaram o golpe e, cabisbaixos, perceberam na prática a quilométrica distância entre o discurso e o voto. Os pragmáticos em Brasília, como sempre, riram de orelha a orelha.

8 ou 80?

Em recente visita ao Congresso Nacional, o ministro dos Transportes Antônio Carlos Rodrigues provocou polêmica aos abusar da sinceridade e admitir aos parlamentares que sua pasta estava praticamente paralisada por falta de recursos. Depois voltou atrás e minimizou a declaração diante dos microfones. Na próxima terça-feira, 12, o ministro estará visitando a Região Metropolitana de Goiânia e a região sudoeste do estado para discutir questões pertinentes às BRs 060, 153 e 158. A expectativa é saber qual discurso será adotado por Antônio Rodrigues: pé no chão ou politicamente correto?

Cabeça em outro lugar

A Série A do Campeonato Brasileiro/2015 começa amanhã e nada se vê de relevante para empolgar o torcedor a comparecer ao estádio. E para piorar ainda existe a concorrência direta com a Liga dos Campeões e a Copa Libertadores. A mesmice dos clubes contrasta com as eufóricas e forçadas chamadas das emissoras de rádio e tevê sobre o início do Brasileirão. Parece que só se fala nisso quando, na verdade, o torcedor só tem olhos para Messi, Neymar, Cristiano Ronaldo e os brasileiros na competição sulamericana.

Comentários do Facebook