JOGO LIMPO com Rodrigo Czepak

Rodrigo Jogo Limpo

Sanguessuga (I)

Gilberto Kassab (PSD)
Gilberto Kassab (PSD)

O senador Ronaldo Caiado (DEM) foi de uma felicidade extrema ao definir o ministro das Cidades Gilberto Kassab (PSD) como o “cafetão do Planalto”. Se tem uma coisa que incomoda na vida pública é o agente político que procura se dar bem surfando na dificuldade alheia. Kassab ganhou musculatura agindo desta forma ao fundar o PSD e agora repete a dose com a recriação do PL.

Sanguessuga (II)   

Com o pretexto de diminuir a dependência do governo em relação ao PMDB no Congresso, o ex-prefeito de São Paulo tem o aval da presidente Dilma Rousseff para “atrair” os insatisfeitos de outros partidos. Dá pra imaginar o nível dos diálogos e a importância que se dá aos assuntos de interesse do país. O lado ruim, para Caiado, é que vários parlamentares até se vestem de garotas de programa para serem procurados.

Mais do mesmo

E continua o festival de pérolas no PMDB goiano com a mais recente tentativa de sacudir as suas bases. “Partido de oposição não precisa de gordura, mas sim de músculo”, declarou o deputado José Nelto sobre a renovação dos diretórios municipais. Enquanto parlamentares e lideranças do interior se revezam nas manchetes, os caciques do PMDB permanecem calados, claramente desanimados com o cenário que os aguarda.

Indigestão

Justiça determina suspensa Lei que permite venda de áreas públicas em Goiânia
Paulo Garcia (PT)

O funcionalismo público municipal pode ser a próxima carne de pescoço a cair no prato do prefeito Paulo Garcia. Depois dos nada “saborosos” Antônio Gomide, Tayrone di Martino, Marconi Perillo e Jayme Rincón, os servidores estão propensos a complicar a vida do petista caso ele vete o reajuste da data-base retroativo a 2014. Greve de trabalhadores não deixa de incomodar Paulo Garcia, porém o que o tira do sério são as manifestações na porta do seu prédio, no setor Bueno.

Só arrancada

Apelidado de “robauto”, o comércio de peças de veículos na Vila Canaã volta a se foco de nova ação do poder público. Órgãos estaduais e municipais tentam arejar o local e, ao mesmo tempo, desestimular a prática de atividades ilícitas. A maior reclamação dos comerciantes é de que faltam regularidade e consistência nas campanhas desenvolvidas até agora. “O pontapé tem barulho e imprensa, mas depois a boa intenção fica pelo caminho”, resumiu um dono de loja.

Malas prontas

Com a globalização do futebol, jogadores brasileiros que se destacam em seus clubes não pensam duas vezes ao aceitar propostas para jogar em países com pouca tradição no esporte. Os meia-atacantes Diego Tardelli e Ricardo Goulart, pra ficar em dois exemplos apenas, estão deixando Minas Gerais para atuar no futebol asiático. São tantos euros no bolso que os jogadores nem sofrem com a remota possibilidade de perderem espaço na seleção brasileira.

Dependência  

O exibicionismo do atacante Neymar, do Barcelona, impede que ele seja unanimidade entre os torcedores brasileiros, mas é inegável que a visibilidade do nosso futebol depende diretamente das suas jogadas. Não há outro nome que se aproxime do seu talento, ao contrário do período em que existiam várias estrelas brilhando ao mesmo tempo como Romário, Ronaldo, Rivaldo, Ronaldinho Gaúho e Kaká.

Comentários do Facebook