Jogo Limpo com Rodrigo Czepak

Rodrigo Jogo Limpo

Cereja no sorvete

Final do Goianão: pouca emoção, mas muito público por causa da parceria entre Goiás e Creme Mel
Final do Goianão: pouca emoção, mas muito público por causa da parceria entre Goiás e Creme Mel

Só mesmo o futebol para provocar polêmica mesmo sem protagonistas de encher os olhos. O resultado já era esperado: Goiás campeão da Série A e Vila Nova campeão da Série B. Bastava o molho na reta final para apimentar a rivalidade entre os dois clubes. A promoção dos palitos Creme Mel se encarregou da tarefa.

Acima da expectativa

Talvez nem o idealizador da campanha, o empresário Edminho Pinheiro (Grupo Pinauto), imaginasse o tamanho do retorno para o clube e para a empresa. Mais de 30 mil pessoas no estádio Serra Dourada e a marca Creme Mel literalmente na boca de esmeraldinos e adversários.

Receita do bolo

E quais as razões para tanto sucesso? Aliança inusitada, jogo decisivo, vantagem do Goiás obtida em Aparecida, produto de qualidade e que aproxima a família, além da parceria com a imprensa. Todos esses ingredientes no liquidificador resultaram numa única palavra: inovação.

Ação e reação

Do outro lado do balcão, a torcida do Vila Nova, principalmente, fazia a sua parte com gozações e provocações sem fim. E a Creme Mel se lambuzando de achar bom. Sua principal concorrente, a Kibon, querendo saber o que acontecia em Goiás. Concorrência e disputa por espaço dentro e fora do estádio.

Exemplo futuro

Desdobramentos de uma ideia que misturou ousadia empresarial com a grande paixão do povo brasileiro, despertando a atenção da mídia nacional para a decisão do campeonato goiano. Sem falar no acalorado debate nas redes sociais. Que outras empresas saibam aproveitar a força do futebol.

Debandada de Marta Suplicy foi golpe duro para o PT / Foto: Antonio Cruz
Debandada de Marta Suplicy foi golpe duro para o PT / Foto: Antonio Cruz

Ciclo acabando

Se o PT sangra com a rejeição à presidente Dilma Rousseff e debandada de figuras históricas, como a senadora Marta Suplicy, o PSDB também agoniza com o “Fora Beto Richa” no Paraná e a ausência de um discurso que transforme o partido em oposição pra valer. O problema para as duas legendas é que o eleitor já emite sinais de cansaço com a polarização. É nisso que apostam partidos como PMDB, PSB e PSD, todos de olho na presidência em 2018.

Rei do caldeirão

A secretária da Fazenda Ana Carla Costa continua recebendo uma saraivada de críticas de tucanos de alta plumagem. O deputado federal Alexandre Baldy e o economista e ex-deputado federal Valdivino de Oliveira foram os últimos a questionar as medidas adotadas. A filha de Lúcia Vânia contra-atacou com críticas à forma como o governo comunicou o parcelamento dos salários. Quem conhece Marconi Perillo sabe que o governador gosta e até incentiva as alfinetadas dos dois lados. “Dessa forma não há zona de conforto”, diz um auxiliar.

A propósito

Frase de Jorcelino Braga (presidente regional do PRP) ao jornal “O Popular” sobre a possibilidade de Marconi e Vanderlan caminharem juntos em 2016. “Eles são duas pessoas completamente diferentes. Vanderlan é do bem”.

Nada mudou

Vaias dos servidores, críticas ácidas, objetos lançados em direção à mesa de autoridades, insatisfação dos vereadores da oposição e da base governista, além de alfinetadas no governador Marconi Perillo e no ex-prefeito Nion Albernaz. Eis o resumo da prestação de contas (último quadrimestre de 2014) do prefeito Paulo Garcia hoje na Câmara Municipal. Ponto positivo: ele cumpriu a lei e, mesmo com algumas respostas evasivas, enfrentou os adversários. Ponto negativo: os pretensos aliados permanecem arredios em defender Paulo Garcia e sua administração.

Comentários do Facebook