Ladrão devolve dinheiro e deixa bilhete de desculpas

Ladrão devolveu quase R$ 1000 depois de sentir peso na consciência (Foto: Reprodução / Facebook)
Ladrão devolveu quase R$ 1000 depois de sentir peso na consciência (Foto: Reprodução / Facebook)

Tudo aconteceu durante o réveillon, quando o advogado Eduardo Goldenberg, 42 anos, teve a carteira roubada, com documentos e mais de mil reais. Mas o surpreendente foi o que aconteceu em seguida.

Nesta terça-feira (5): o ladrão se arrependeu do crime e devolveu o dinheiro, mas adminitiu no bilhete ter ficado com R$ 50 para comprar champanhe para a mãe.

Em postagem no Facebook, Eduardo contou que saiu da casa onde mora, na Tijuca, na Zona Norte do Rio, para as a comemoração da virada de ano. “Saí de casa com a carteira que uso no meu dia-a-dia: cheia de documentos, carteira da OAB, cartões de banco, da seguradora, carteira do plano de saúde, do programa de sócio-torcedor do Flamengo, meus cartões de visita, tudo. E R$ 1.017,00 em dinheiro”, escreveu.

Em certo ponto da viagem de metrô, o advogado disse que sentiu quando alguém colocou a mão no bolso esquerdo da sua bermuda e levou sua carteira. No primeiro dia de 2016, porém, ele foi contato por alguém que a havia encontrado, portando ainda os documentos, mas sem o dinheiro e os cartões de visita.

Arrependimento

Mas foi na terça-feira (5/1) que encontrou um envelope branco fechado ao chegar ao escritório. “Senti que era dinheiro, só no tato. Entrei, já aflito. Tranquei a porta. Acendi as luzes, sentei-me, pus os óculos, abri com cuidado o envelope e contei, atônito, R$ 967,00 em dinheiro”.

LEIA MAIS: Brasileiro entra pelado na Basílica de São Pedro, mais importante edifício católico no mundo

O mais inacreditável, havia também um bilhete que relatava o arrependimento do ladrão. “Dr. Eduardo, estou devolvendo seu dinheiro que eu peguei da sua carteira no dia 31 em Copacabana. Não dormi arrependido e peço que me perdoe. Feliz Ano Novo. Só tirei cinquenta reais pra comprar uma champanhe pra minha mãe. Fábio”.

Ao “Correio Braziliense”, o advogado disse que sentiu um “soco no estômago” quando se deu conta da situação, do arrependimento do criminoso e da situação em que deve viver este homem.

Comentários do Facebook