Melhores da TV em 2014 (Parte 2) – Coluna de Seriados

Coluna de Seriados

Para conferir os seriados que apareceram do número 10 ao 6, leia: Melhores da TV em 2014 (Parte 1)

House-of-Cards5. “House of Cards” (Netflix)

Representando a Netflix, recente gigante do ramo, “House of Cards” conseguiu se superar no segundo ano. Previsibilidade, atuações pouco críveis e roteiro forçado? Não tem nada disso na série que conta (inclusive em excelentes momentos de primeira pessoa) a história do ambicioso Frank Underwood. “House of Cards” não subestima o espectador, não tem medo de surpreender ou escandalizar e não economiza a mão em nenhuma crítica. Aqui vemos outro elenco invejável, principalmente com a dupla de protagonistas Kevin Spacey e Robin Wright.

Fargo4. “Fargo” (FX)

O FX não deixou espaço pra ninguém em 2104 (talvez só pra HBO, tudo bem). Mas a maior surpresa do canal do ano foi “Fargo”, releitura do filme de 1996. Os atores são muito competentes (vide Martin Freeman, que é Arthur Dent, Dr. Watson e Bilbo Bolseiro), mas o que dá real brilho para a produção é a equilibrada -porém absurda- mistura entre humor e violência. Como é possível rir do mesmo personagem que te deu repulsa cinco minutos atrás? Em 2015, “Fargo” retorna com uma nova história. Aguardemos.

Last-Week-Tonight-With-John-Oliver3. “Last Week Tonight With John Oliver” (HBO)

Uma das poucas realmente inovadoras dos últimos tempos, “Last Week Tonigh” mostrou um formato muito interessante de humor informativo. E, diferente de outros programas do gênero “quase-jornalismo-engraçado”, a atração comandada por John Oliver tem um tema de destaque polêmico e interessante em toda edição, sempre com o foco em polemizar assuntos poucos conhecidos pela massa da audiência.

True-Detective2. “True Detective” (HBO)

Com inspirações que passam até por clássicos como HP Lovecraft, “True Detective” é tudo o que pode ser chamado de rebelde. A série tem um elenco fortíssimo, apoiado na dupla consagrada do cinema norte-americano Woody Harrelson e Matthew McConaughey. Menos convencional é a direção, que ficou distribuída em apenas dois nomes: Cary Fukunaga (8 episódios) e Justin Lin (2 episódios). Intrigante, densa, sombria e brilhante: espero ansiosamente pela próxima temporada.

Louie1. “Louie” (FX)

O primeiro lugar da lista vai para um seriado que fez tudo o que ninguém mais tem coragem na televisão norte-americana. “Louie” consegue ser uma comédia extremamente dramática e um drama estranhamente engraçado. Louie CK é um veterano de “stand up comedy” e narra os episódios (que protagoniza, escreve e dirige) como se fossem números das suas apresentações. Situações do quotidiano do comediante aparecem em honestas linhas de diálogo, sensibilíssimos ângulos de câmera e apuradas atuações. E, em 2014, a quarta temporada teve de tudo: humor negro, físico, intelectual, surrealista, realista-fantástico: genialidade.

Menções Honrosas

Mesmo sem conseguir um lugar entre as dez melhores, essas séries foram boas e merecem alguns minutos da sua atenção: “Game of Thrones”, “Z Nation”, “Dominion”, “Silicon Valley”, “Sherlock”, “Masterchef” e “Mad Men”.

Marco Faleiro é estudante de jornalismo e já tem mais de duas mil horas de seriados assistidos – [email protected]

Comentários do Facebook