Menina de 12 anos é baleada dentro de casa no Jardim Boa Esperança em Aparecida

Caso ainda é um mistério para a PM, que trabalha com 2 hipóteses

Uma menina de 12 anos foi baleada na manhã desta terça, 12, no Jardim Boa Esperança, em Aparecida de Goiânia.

Segundo informações da Polícia Militar (PM), há duas hipóteses para o crime.

A primeira explicação é de que a casa onde a vítima estava teria sido alvo de um assaltante, que teria atingido a pré-adolescente na perna.

Já a 2ª hipótese da corporação é de que o tiro teria sido disparado de forma acidental por uma criança de 8 anos.

Ferida, a vítima foi encaminhada pelo Samu à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Buriti Sereno.

Posteriormente, ela foi transferida ao Hospital Estadual de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol).

Hipóteses da PM

De acordo com a corporação, os policiais inicialmente atenderam a um chamado roubo a uma residência, durante o qual uma menina havia sido baleada.

Porém, em entrevista à TV Anhanguera, o tenente da PM Luiz Alexandre afirmou que os depoimentos dos envolvidos estavam controversos.

Ainda conforme o militar, a criança disse que uma pessoa havia pulado o muro da casa para roubar.

Contudo, o tenente disse que, ao verificar imagens de câmeras de segurança próximas ao local, ninguém foi visto invadindo a propriedade.

A hipótese da polícia então, passou a ser do disparo acidental.

A suspeita da corporação ainda é de que a arma seja do pai da vítima, já que os policiais confirmaram que ele possui passagem por porte ilegal.

Em conversa com os militares, o homem negou ser o dono da arma.

Agora, o caso será repassado à Polícia Civil (PC) para investigação.

Estado de saúde

Após atendimentos na UPA do Buriti Sereno e no Hugol, a criança foi avaliada e foi confirmado um ferimento em seu fêmur.

Apesar do susto, ela não corre risco de morrer.

Homem de 54 anos morre espancado no Complexo Prisional de Aparecida


Acompanhe tudo que acontece em Aparecida de Goiânia seguindo a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook