“Meu tempo de sacoleira está findando”

Vendedoras querem montar loja própria / Foto: Edmar Wellington
Vendedoras querem montar loja própria / Foto: Edmar Wellington

A vendedora Priscylla de Melo, de 23 anos, quer transformar seu talento no comércio informal num sonho empreendedor de montar sua loja. Para acelerar o processo, ela vai fazer registro como Microempreendedor Individual (MEI), que legaliza atividades de quem trabalha por conta própria no Brasil, com faturamento máximo anual até R$ 60 mil.

Reforço 

A vontade de Priscylla ganhou reforço quando foi atendida pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae Goiás), na 5ª edição do Governo Junto de Você – Governo Itinerante, do Governo de Goiás, que acontece no município de Formosa (Leste goiano), distante 282 km de Goiânia. “Meu tempo de sacoleira está findando”, anuncia.

publicidade

Com orientações da consultora do Sebrae Goiás Marlene Luiza Mendes, Priscylla descobriu que pode virar empresária de fato pagando apenas R$ 34,90 mensais (destinado à Previdência Social e ao ICMS ou ao ISS), com direito aos benefícios como auxílio-maternidade, auxílio-doença e aposentadoria. “’Poxa’, que bom, não sabia disso!”, conta a vendedora.

Vendedora autônoma 

Na formalização, Priscylla considera que seu trabalho deve render mais, apesar de faturar entre R$ 3 mil a R$ 4 mil como vendedora autônoma. “Vendo muito bem como sacoleira, mas sem um ponto fixo para vendas é difícil se estabelecer no mercado”, considera.

Segundo Priscylla, a falta do Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) inibe a comercialização de produtos junto aos fornecedores e consumidores. “Cheguei ao teto como sacoleira, então vou começar minha história formal no mercado”, avalia.

Estratégias para fidelizar compradores

Ela garante ter experiência no atendimento pessoal, uma de suas estratégias para fidelizar compradores. Tanto que carrega consigo uma agenda com todas as informações sobre seus consumidores, incluindo nome, telefone, endereço, número de vestuário e calçados, além de gostos individuais. “Acredito também que atuo como consultora de moda e beleza”, define.

Sebrae popular

Para Masashi Hiroshima, gerente da Regional Entorno do Distrito Federal do Sebrae Goiás, que tem sede em Luziânia (GO), o atendimento a empreendedores que não conheciam o trabalho desenvolvido pela entidade é uma marca da parceria com o Governo Junto de Você. “Somente na região do Entorno do DF teremos oito edições do evento, oportunizando ao Sebrae no Estado popularizar suas ações”, destaca.

No que concorda Manoel Xavier Ferreira Filho, diretor-superintendente do Sebrae Goiás. “O Sebrae está saindo do ambiente de espera para atrair um de seus principais clientes, que é o microempreendedor individual”, ressalta.

Coordenador dos trabalhos do Sebrae Goiás no evento, o consultor Paulenrique Nunes Neiva revela que a entidade promove cerca de 100 atendimentos diretos em cada edição realizada, fora os cursos e oficinas ministrados em salas. “No estande, atendemos principalmente empreendedores dos segmentos de beleza, mecânica, alimentação e marcenaria”, conta.