Ministério Público processa Record por causa de Rezende. Ao vivo, apresentador instigou policiais a atirarem em suspeitos

O Ministério Público iniciou uma ação civil contra a emissora de TV Record por causa do programa “Cidade Alerta”, apresentado por Marcelo Rezende.

No dia 23 de junho de 2015, o apresentador colocou no ar uma matéria e fez comentários que, para o MP, eram impróprios para o horário. O órgão acusa o apresentador Marcelo Rezende de culpar indevidamente os suspeitos e incitar violência.

Ao vivo e em rede nacional, Rezende teria tratado os suspeitos como culpados e incentivado forças policiais a atirarem nos perseguidos. Em certo momento e sem ao menos saber o motivo da perseguição, Rezende diz: “Atira, meu camarada! É bandido!”. Veja no vídeo.

A Record, de propriedade do bispo Edir Macedo, afirmou que não tinha como escolher imagens próprias para a faixa e tão pouco prever o fim da ação policial. As informações são da coluna Outro Canal, da Folha de S. Paulo.

Comandante Hamilton

“O Marcelo é uma ótima pessoa, mas no programa é meio complicado. O personagem que ele criou para a TV gera um pouco de atrito”, disse o Comandante Hamilton, piloto de helicóptero que não faz mais parte do “Cidade Alerta” e chegou a se desentender com o apresentador, que “dava duras” constantes nos seus colegas.

LEIA MAIS: Avião de SP a Goiânia faz manobra de emergência para desviar de outra aeronave

Marcelo

Rezende já trabalhou na Rede Globo, apresentando o programa policial “Linha Direta”, e, na Rede Record, onde apresentou o programa “Cidade Alerta”. Em 2002, passou pela RedeTV!, onde apresentou o também extinto programa “Repórter Cidadão”.

Comentários do Facebook