Relembre as mortes trágicas que mais chocaram Goiás

No dia 24 de junho de 2015, o mundo perdia o talento de Cristiano Araújo. Relembre outras marcantes histórias de cantores sertanejos, policiais, jogadores de futebol e políticos do Estado

O aniversário de 5 anos da morte do cantor Cristiano Araújo em um acidente de carro na BR-153, trouxe à tona nas redes sociais várias outras mortes trágicas que marcaram a história brasileira e, em alguns casos, especialmente a de Goiás.

1. 1970 | Emival Camargo

Emival Camargo fazia dupla com o irmão Zezé até morrer em um acidente de carro há 42 anos | Foto: Reprodução
Emival Camargo fazia dupla com o irmão Zezé até morrer em um acidente de carro há 42 anos | Foto: Reprodução

Você se lembra da dupla Camargo & Camarguinho?

Pois então, Zezé Di Camargo não começou a carreira ao lado de Luciano, mas de outro irmão.

Mas, infelizmente, Emival e Zezé tinham apenas 11 e 12 quando sofreram um acidente voltando de um show no Maranhão.

O mais novo acabou não resistindo e morreu, mas Zezé saiu apenas com um ferimento próximo ao olho.

Recentemente, em um programa de entrevista, o cantor relembrou como foi perder o irmão 42 anos atrás.

“Eu lembro toda hora da minha vida, foi uma passagem muito forte, muito traumática”, disse Zezé.

Segundo o sertanejo, a perda fez com que ele se afastasse por 1 ano da música e quase desistisse da carreira.

2. 2012 | 5 delegados e 2 peritos da PCGO

Em 2012, uma comitiva inteira de membros da Polícia Civil de Goiás morreu na queda do helicóptero em Piranhas | Foto: Reprodução
Em 2012, uma comitiva inteira de membros da Polícia Civil de Goiás morreu na queda do helicóptero em Piranhas | Foto: Reprodução

No dia 8 de maio de 2012, uma comitiva inteira de membros da Polícia Civil de Goiás morreu na queda do helicóptero para a reconstituição de um crime em Doverlândia (GO).

A aeronave, que caiu a 35 quilômetros de Piranhas, também vitimou o principal suspeito da terrível chacina.

No acidente, morreram:

  • Antônio Gonçalves Pereira dos Santos – delegado superintendente da Polícia Judiciária de Goiás;
  • Bruno Rosa Carneiro – delegado;
  • Osvalmir Carrasco Melati Júnior – delegado;
  • Jorge Moreira da Silva – delegado;
  • Vinícius Batista da Silva – delegado;
  • Marcel de Paula Oliveira – perito criminal;
  • Fabiano de Paula Silva – perito criminal;
  • Aparecido de Souza Alves – principal suspeito do crime.

O inquérito sobre a queda do helicóptero só foi concluído em abril de 2018, 6 anos após os fatos.

Três homens foram indiciados, mas suas identidades não foram reveladas.

A comitiva da PC viajava para reconstituir a chacina de 7 pessoas que aconteceu no dia 28 de abril em Doverlândia, a 325 km de Goiânia.

Em uma fazenda na zona rural da cidade, as vítimas foram encontradas degoladas.

Morreram o dono da fazenda, o filho dele, um caseiro da propriedade e dois casais que estavam no local de visita.

3. 2014 | Fernandão

Fernandão morreu em queda de helicóptero no caminho de Aruanã a Goiânia | Foto: Divulgação / CBMGO
Fernandão morreu em queda de helicóptero no caminho de Aruanã a Goiânia | Foto: Divulgação / CBMGO

Ídolo do Goiás e do Internacional, o atacante Fernandão também morreu em um trágico acidente de helicóptero.

Ele tinha apenas 36 anos quando acabou vítima do acidente no caminho de Aruanã a Goiânia.

Outras 4 pessoas que estavam na aeronave também morreram.

O ex-atleta chegou a ser levado a um hospital da região, mas já estava sem vida ao chegar lá.

Relatório final do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) sobre sobre a queda apontou que piloto não havia feito o consumo de bebidas alcoólicas.

Porém, ele errou ao fazer um voo noturno, já que não era habilitado para essas circunstâncias.

O Cenipa também aponta que o piloto estendeu sua jornada de trabalho além do que determinam as regras da aviação.

4. 2015 | Cristiano Araújo

Cristiano Araújo morreu em 2015 em acidente na na BR-153, voltando de Itumbiara a Goiânia | Foto: Reprodução
Cristiano Araújo morreu em 2015 em acidente na na BR-153, voltando de Itumbiara a Goiânia | Foto: Reprodução

A morte do cantor sertanejo Cristiano Araújo no dia 24 de junho de 2015 chocou todo o Brasil.

Aos 29 anos, ele voltava de Itumbiara a Goiânia quando o carro em que ele estava se capotou na BR-153.

A namorada do cantor, Allana Moraes, também morreu no acidente.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), ambos estariam sem cinto de segurança no banco de trás do veículo, um Range Rover.

Um laudo do Instituto de Criminalística de Goiás apontou que o carro capotou devido à ruptura de soldas da roda traseira direita.

Rompidas, as lascas cortaram cortaram o pneu do carro, o que causou a perda do controle por parte do motorista.

De acordo com a perícia, a peça não era original e tinha aro 22, incompatível com o modelo.

Em 2018, o motorista do carro, Ronaldo Miranda Ribeiro, de 43 anos, foi condenado a 2 anos e 7 meses de prisão.

A pena foi convertida em prestação de serviços à sociedade, suspensão da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) por dois anos e pagamento de indenização no valor de R$ 25 mil.

Na sentença, juíza Patrícia Machado Carrijo argumentou que ficou comprovada a autoria do crime, já que o motorista “tinha plena ciência sobre as condições precárias das rodas instaladas no veículo e do risco inerente da sua utilização no momento de sua condução”.

5. 2016 | Zé Gomes

Ex-prefeito de Itumbiara Zé Gomes foi assassinado durante carreata na cidade | Foto: Reprodução
Ex-prefeito de Itumbiara Zé Gomes foi assassinado durante carreata na cidade | Foto: Reprodução

Ex-prefeito de Itumbiara e então candidato a mais um mandato, José Gomes da Rocha (PTB), de 58 anos, foi assassinado durante uma carreata na cidade.

O crime ocorreu no dia 28 de outubro de 2016.

Além de Zé Gomes, também morreu no local o policial militar Vanilson Ferreira.

Foram baleados e sobreviveram o ex-governador de Goiás José Eliton, o advogado Célio Rezende e o motorista Edvan Julio Guerino.

De acordo com inquérito da Polícia Civil, o crime foi planejado, mas não teve motivações políticas.

Para a PC, o autor do atentado, o servidor público Gilberto Ferreira, sentia-se perseguido.

Ele foi morto por seguranças logo após o ataque.

Na conclusão do inquérito, o delegado Douglas Pedrosa apontou que Gilberto tinha psicose etílica.

A combinação de remédios com a ingestão de bebidas alcoólicas teria provocado nele alucinações e sentimento de perseguição.

O crime foi motivado por raiva, pois o atirador achava que era perseguido político de Zé Gomes.

6. 2019 | Ricardo Boechat

Jornalista Ricardo Boechat morreu em um acidente de helicóptero na tarde desta segunda-feira, 11
Jornalista Ricardo Boechat morreu em um acidente de helicóptero  | Foto: Reprodução / Bandeirantes

O jornalista Ricardo Boechat morreu na manhã do dia 11 de fevereiro de 2019, aos 66 anos.

O âncora do Jornal da Band estava em um helicóptero que caiu sobre um caminhão na na Rodovia Anhanguera, na cidade de São Paulo.

Também morreu no acidente o piloto da aeronave. Os 2 corpos foram encontrados carbonizados no local da queda.

O motorista do caminhão atingido pela aeronave, por sua vez, foi atendido pela concessionária da rodovia sem ferimentos graves.

À rádio BandNews, o motorista disse que viu a aeronave perdendo altura e que ele havia imaginado que ela estava pousando.

Laudo do Instituto Médico Legal apontou que o jornalista morreu em decorrência de politraumatismo torácico e abdominal.

Segundo a Polícia Civil, o acidente foi uma fatalidade, já que uma pane forçou o piloto a tentar um pouso de emergência.

Relembre o sequestro de Edminho Pinheiro


Acompanhe o Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook