Motorista de app é preso suspeito de dopar e estuprar passageira em Goiânia

O celular da vítima, que havia desaparecido, foi encontrado na residência do suspeito

Motorista dopar estuprar passageira
Motorista de aplicativo foi preso suspeito de dopar e estuprar uma passageira em Goiânia | Foto: Reprodução

Um motorista de aplicativo, de 25 anos, foi preso suspeito de dopar e estuprar passageira em Goiânia.

O crime teria acontecido no setor Cidade Jardim, na capital.

Além disso, o homem ainda é acusado de ter roubado o celular da vítima.

O suspeito foi detido nesta quarta-feira, 31.

O caso

Segundo o tenente-coronel Cardoso, comandante do 7º Batalhão de Polícia Militar (BPM), a vítima saiu com uma amiga para uma festa.

Para voltar, as duas solicitaram uma viagem via aplicativo e dividiram a corrida.

De acordo com as informações, o motorista deixou em casa primeiro a amiga.

Em seguida, no caminho para a residência da vítima, o suspeito teria parado o veículo em um imóvel e, segundo a denunciante, o homem forçou ela ingerir uma bebida.

Ainda conforme a mulher, o líquido causou sonolência nela.

Quando a vítima retomou a consciência, ela estava em casa e sem o celular, com a porta trancada pelo lado de fora.

Prisão

Após buscas, policiais do 7º BPM conseguiram localizar o suspeito em sua residência, que fica localizada na Avenida Fonte Nova, Quadra 13, no bairro de mesmo nome da via, região noroeste de Goiânia.

Durante a abordagem, o motorista confirmou que realizou a viagem, mas negou a acusação de estupro.

Os policiais encontraram o celular da vítima em posse do suspeito.

Segundo a PM, o aparelho já havia sido anunciado à venda na internet.

O homem foi detido e encaminhado à Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam).

A PM confirmou que o suspeito possui passagens, sendo 4 por roubo e outras 4 por receptação.

Jovem é morto a tiros dentro de casa no Village Garavelo em Aparecida


Acompanhe tudo que acontece em Goiânia seguindo o Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

 

 

 

Comentários do Facebook