Mulher bate de frente com Bitrem e morre carbonizada em Goiás

Veículo em que estava a vítima explodiu e pegou fogo. Chamas se alastraram pela vegetação e o combate durou o dia todo

mulher carbonizada
Mulher morreu carbonizada ao sofrer grave acidente em Santa Helena de Goiás | Foto: Divulgação/PRF

Uma mulher morreu carbonizada após grave acidente entre um carro e um Bitrem na tarde de domingo (13), na BR-452, em Santa Helena de Goiás, no sudoeste do Estado.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), os veículos colidiram frontalmente, ocasionando a explosão e incêndio do automóvel de passeio.

O acidente

Conforme relato do motorista da carreta, que seguia no sentido Itumbiara/Rio Verde, ao ver que o carro invadiu a contramão, tentou esquivar do acidente, piscando os faróis e buzinando.

Além disso, ele disse que jogou o Bitrem para o acostamento, mas a manobra não foi suficiente para impedir a colisão frontal entre os veículos.

O incêndio provocado pelo choque, que aconteceu por volta das 13h20, alastrou pela vegetação e alcançou várias propriedades rurais, próximas ao km 46.

As chamas só foram controladas no início da noite. O Corpo de Bombeiros e caminhões pipa da prefeitura ajudaram a apagar o fogo.

A rodovia ficou fechada por mais de uma hora para esse trabalho de combate ao incêndio.

Corpo carbonizado

De acordo com a perícia, somente um exame de DNA poderia identificar o corpo, que ficou bem danificado pelo fogo.

Preliminarmente, trata-se de uma mulher, mas, até o veículo não foi possível precisar a sua identidade.

Na carreta, estavam o condutor de 56 anos e esposa, de 57, ambos de Araguari (MG), que não tiveram ferimentos, mas foram encaminhados à UPA para atendimento.

Eles levariam 37 toneladas de fertilizantes a cidade de Mineiros (GO), na mesma região onde o acidente aconteceu.

Contudo, apenas 5 toneladas da carga foram salvas.

LEIA MAIS 👉 700 vagas de emprego têm inscrições abertas em Aparecida


Acompanhe tudo que acontece em Aparecida de Goiânia seguindo a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook