Equipes da Guarda Civil trabalham na fiscalização do lockdown em Aparecida. Descumprimento acarreta multa e até fechamento do comércio | Foto: Claudivino Antunes
Equipes da Guarda Civil trabalham na fiscalização do lockdown em Aparecida. Descumprimento acarreta multa e até fechamento do comércio | Foto: Claudivino Antunes

O empresário ou comerciante que descumprir o lockdown setorial em Aparecida de Goiânia pode ser multado em R$ 560 e até ter o seu alvará de funcionamento cassado.

A medida começou a vigorar na última 2ª feira (8) e agora passa por um período de adaptação.

E, segundo o secretário municipal da Fazenda, André Rosa, a adesão dos comerciantes foi acima das expectativas do Executivo.

“Andei pessoalmente pelas macrozonas da Vila Brasília, Alto Paraíso, Zona da Mata e Garavelo e me surpreendi positivamente. Mais de 95% dos estabelecimentos estavam fechados espontaneamente”, afirmou o secretário.

Lockdown acarreta multa e fechamento

Porém, aqueles que insistirem em abrir as portas na data da proibição estão sujeitos a punições pesadas:

    1. Na 1ª semana, os fiscais apenas orientarão os infratores a respeito da importância de cumprir as medidas de saúde;
    2. Depois desse período de adaptação, quem descumprir as medidas será notificado;
    3. No caso de reincidência, os fiscais estão orientados a emitirem multas de R$ 560;
    4. Em última instância, caso volte a infringir a norma, o comerciante será autuado e pode até perder o alvará de funcionamento.
Secretário municipal da Fazenda André Rosa | Foto: Divulgação
Secretário municipal da Fazenda André Rosa | Foto: Divulgação

“Desde o dia 28 de abril, quando começou a flexibilização em Aparecida, temos mais de 600 pessoas na rua para fiscalizar o cumprimento das normas de saúde. E as equipes estão monitorando as zonas fechadas e abertas, dia e noite”, advertiu André Rosa.

Aparecida: Comércios de rua estão mais cheios do que antes da pandemia


Acompanhe tudo que acontece em Aparecida de Goiânia seguindo a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook