Noite Feliz: conheça a origem de uma das canções mais famosas do Natal

Capela serve como museu da Noite Feliz | Foto: Reprodução
Capela serve como museu da Noite Feliz | Foto: Reprodução

Sem dúvida, a música mais tocada no mês de dezembro será Noite Feliz. Na televisão, rádio, em propagandas e na internet: final de ano é época de se preparar para uma das noites mais aguardadas anualmente. Mas pouca gente sabe que as origens da música remontam à Áustria dos anos 1800.

Traduzida para centenas de idiomas, Noite Feliz foi escrita em Alemão pelo padre Joseph Mohr em 1816 como um poema em homenagem ao menino Jesus. A melodia, por sua vez, é de responsabilidade do professor e músico Franz Xaver Gruber e data de 1818.

A parceria ocorreu porque o órgão da Igreja São Nicolau, na pequena vila austríaca de Oberndorf, estava estragado. Joseph, então, foi à procura de um instrumentista para realizar a performance durante a Missa do Galo. Ao longo das décadas, sucessivos e diferentes arranjos foram criados para a canção, que, por volta de 1900, já era conhecida em todo o mundo.

publicidade

LEIA MAIS: Noel do Mato leva crianças malcriadas no seu saco na noite de Natal

Hoje, existe no lugar da Igreja São Nicolau, que foi demolida no Séc. XX devido a danos causados por alagamentos, a Capela Memorial da noite Silenciosa (Stille-Nacht-Gedächtniskapelle). Construída entre 1920 e 1930, a capela comporta apenas 20 pessoas simultaneamente e recebe todos os anos cerca de 7 mil peregrinos para a missa de Natal.

Versões

Noite Feliz recebe esse nome na tradução para o português, porém, no original, o título fala em uma noite silenciosa. Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade, “Stille Nacht”, em alemão, teve seu sentido original mantido no inglês “Silent Night”.

Sandy e Júnior, Simone e Xuxa, além das duplas Chitãozinho & Xororó, Leandro & Leonardo e Zezé Di Camargo & Luciano, já gravaram versões da canção. Internacionalmente, Andrea Bocelli, Cyndi Lauper, Elvis Presley, Luciano Pavarotti e Whitney Houston já contribuíram para alegrar natais com o clássico.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter