O que querem os estudantes que ocupam escolas em Goiás?

Estudantes secundaristas na ocupação do Instituto Estadual de Goiás
Estudantes secundaristas na ocupação do Instituto Estadual de Goiás

O Folha Z visitou três colégios estaduais ocupados por estudantes. Inicialmente, a equipe teve dificuldade para entrevistar os estudantes e para entrar nas instituições ocupadas.

Após negociação, permitiram a equipe entrar no Colégio Estadual de Período Integral Lyceu e no Instituto de Educação de Goiás (IEG) para registrar a realidade daquilo que pensam os secundaristas e do que ocorre dentro das ocupações.

Adeptos no interior

O movimento, que começou no último dia 9 de dezembro com a ocupação do Colégio Estadual Professor José Carlos de Almeida, no Centro da capital, já ganhou adeptos em Aparecida de Goiânia, Anápolis e na cidade de Goiás.

Os estudantes protestam contra a transferência da gestão das escolas da rede estadual de ensino para Organizações Sociais (OSs). Já são 22 colégios ocupados em todo o Estado.

Segundo a Secretaria de Educação, Cultura e Esporte de Goiás, Raquel Teixeira, não se trata de terceirização do ensino. Para ela, será uma gestão compartilhada e as escolas continuarão completamente gratuitas.

Organização

No Facebook, através da página Secundaristas em Luta, os estudantes atualizam a situação das escolas ocupadas e organizam os pedidos de doações.

O Folha Z visitou três colégios estaduais ocupados por estudantes e registrou a realidade daquilo que pensam os estudantes e do que ocorre dentro das ocupações -> shar.es/1GYuQN

Posted by Jornal Folha Z on Sexta, 18 de dezembro de 2015

Leia mais:
– As escolas públicas, a inaptidão do governo e as ocupações – começou, Goiás
– Com 22 escolas ocupadas em Goiás, alunos afirmam que governo não quer diálogo
– Escolas ocupadas em Goiás são notícia no New York Times e já somam 22 no total

Comentários do Facebook