Obra do Anfiteatro de Aparecida será licitada novamente após paralisação | Foto: Folha Z
Obra do Anfiteatro de Aparecida será licitada novamente após paralisação | Foto: Folha Z

Iniciada em 2014, a obra do Anfiteatro Municipal de Aparecida de Goiânia deve finalmente ser retomada após cerca de 3 anos de paralisação.

A primeira previsão para término era 2015, ainda na gestão do ex-prefeito Maguito Vilela (MDB).

Porém, acabaram paralisadas por falta de repasses do Governo Federal e problemas no contrato inicialmente licitado, que não previa itens como ar-condicionado e iluminação.

À Folha Z, a Prefeitura de Aparecida informou que o projeto de uma nova licitação foi autorizado pela Caixa Econômica Federal em setembro deste ano.

Com o sinal positivo, a administração agora anuncia a abertura do processo licitatório para o dia 9 de dezembro.

De acordo com a Secretaria da Fazenda, “o recurso proveniente do Ministério do Turismo em contrapartida do Município já está garantido para a continuidade da obra do Anfiteatro Municipal”.

Cachorros

Abandonada, a obra sofre com as intempéries e o desgaste de sol e chuva às estrutura já levantadas no local.

São visíveis os danos e a ferrugem nas estruturas de metal e outros componentes.

A equipe da FZ foi até o local e constatou que ele é vigiado por cachorros, que ficam dentro dos muros do canteiro de obra.

Primeira previsão para término da obra era 2015, ainda na gestão do ex-prefeito Maguito Vilela (MDB) | Foto: Folha Z
Primeira previsão para término da obra era 2015, ainda na gestão do ex-prefeito Maguito Vilela (MDB) | Foto: Folha Z

Anfiteatro

O anfiteatro de Aparecida é construído na Avenida Gervásio Pinheiro, no setor Village Garavelo, ao lado do Centro de Cultura e Lazer José Barroso.

Ao todo serão 2,1 mil metros quadrados de área construída, com piso superior e inferior que abrigará 660 lugares.

Aparecidense teme não jogar início do Goianão no Annibal


Acompanhe tudo que acontece em Aparecida de Goiânia seguindo a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook