A Secretaria de Infraestrutura da Prefeitura de Goiânia voltou a garantir nesta sexta-feira, 22, a conclusão da trincheira da Rua 90 com a Avenida Jamel Cecílio até o dia 30 de novembro.

A entrega de 1 dos trechos do BRT, obra complexa e demorada, vai representar grande alívio para os comerciantes da região.

Não é exagero dizer que os empresários acompanharam o trabalho dos operários com velas e terços nas mãos.

De portas fechadas, comerciantes rezam pela conclusão das obras em Goiânia | Fotos: Rodrigo Czepak
De portas fechadas, comerciantes rezam pela conclusão das obras em Goiânia | Fotos: Rodrigo Czepak

A redução no volume de comercialização de mercadorias chegou a 50% nos últimos 120 dias.

Se a sensação é de alívio pelas bandas do Setor Marista, o mesmo não pode ser constatado 800 metros adiante, na divisa do Setor Pedro Ludovico com o Jardim Goiás.

A construção do Complexo Viário idealizado para simbolizar a música sertaneja, no cruzamento da Jamel Cecílio com a Marginal Botafogo, transformou tudo ao seu redor num cenário fúnebre.

Lojas de colchões, móveis e decoração completamente vazias. Aquelas que sobraram, é claro, porque a maior parte fechou as portas ou improvisou mudança até o término da obra.

Demissões

Esse é o preço mais dolorido a ser pago no decorrer da construção de um bem público: demissões de trabalhadores e desvalorização da atividade empresarial no período.

Conversei com recepcionistas e donos de lojas sem me identificar como jornalista. Se não houver melhora motivada pelas festas de final de ano, a única saída será realizar mais demissões.

“Também teremos que rezar para que a trincheira seja entregue dentro do prazo previsto”, observou um dos presentes.

O empresário pensa no próprio bolso, o goianiense sonha com a fluidez do trânsito e a Prefeitura de Goiânia projeta novo cartão postal.

Uma equação que nunca fecha. A obra pública como ela é…

OPINIÃO: Nem o Corpo de Bombeiros escapa da podridão? Não é bem assim


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook