Parada LGBT reúne milhares

Um dos fundadores da parada, o coordenador do Programa Rio Sem Homofobia, Cláudio Nascimento, lembrou que na primeira edição do desfile, em 1995, havia apenas duas mil pessoas e que muitas usavam máscaras com vergonha de se expor
Um dos fundadores da parada, o coordenador do Programa Rio Sem Homofobia, Cláudio Nascimento, lembrou que na primeira edição do desfile, em 1995, havia apenas duas mil pessoas e que muitas usavam máscaras com vergonha de se expor

Com o tema Somos Milhões de Vozes, a 19ª Parada do Orgulho LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) do Rio atraiu milhares de pessoas na orla da Praia de Copacabana, na zona sul da cidade, na tarde de domingo, 16.

O desfile pela Avenida Atlântica começou às 15h. A vice-presidente do Grupo Arco-Iris, Marcellle Esteves, um dos organizadores do evento, ressaltou que a criminalização da homofobia é uma das principais bandeiras do movimento hoje. “Ao mesmo tempo em que algumas políticas públicas avançaram em nosso benefício, o conservadorismo e a violência avançaram na mesma medida”, disse.

Reconhecimento

publicidade

Um dos fundadores da parada, o coordenador do Programa Rio Sem Homofobia, Cláudio Nascimento, lembrou que na primeira edição do desfile, em 1995, havia apenas duas mil pessoas e que muitas usavam máscaras com vergonha de se expor. “Hoje passamos da marca de 1 milhão, gente que vem com a cara e a coragem, se coloca e busca seus direitos”, disse. “A causa da cidadania LGBT ultrapassou os muros da comunidade gay, pois a população entende que uma sociedade é feliz se todos tiverem direitos e o reconhecimento de sua liberdade”, completou.

Nascimento comemorou o fato de atualmente o movimento ter o apoio das autoridades e órgãos públicos, o que era impensável há 20 anos. “Mas precisamos avançar. Além do apoio, é preciso que a sociedade se indigne contra o preconceito e a discriminação. Hoje muita gente é discriminada, assassinada, porque alguém viu e não procurou ajuda”, disse.

(Agência Brasil)