Plano de saúde deve custear tratamento de criança diagnosticada com transtorno do espectro autismo (TEA) | Foto: Kelly Sikkema / Unsplash
Plano de saúde deve custear tratamento de criança diagnosticada com transtorno do espectro autismo (TEA) | Foto: Kelly Sikkema / Unsplash

Reiteradamente os planos de saúde estão sendo condenados a custear integralmente o tratamento da criança diagnosticada com autismo (TEA).

Diversos julgados do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás são nesse sentido.

Existindo a previsão contratual de cobertura para o transtorno apresentada pelo contratante do plano de saúde, necessário é o tratamento proposto pelo profissional que o assiste.

Inclusive é abusiva qualquer cláusula limitativa do meio adequado à saúde e à qualidade de vida do paciente.

Em suas negativas para tratamento, geralmente o plano de saúde argumenta que a cobertura do tratamento solicitado não é devido porque o procedimento não consta no rol da Agência nacional de Saúde (ANS).

Tratamento de autismo

Outrossim, asseveram que os contratos dos beneficiários têm limite de cobertura, o que não permite o custeio de médicos particulares fora da rede credenciada.

Contudo, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) e outros tribunais pátrios, como o do Estado de Goiás, entendem que cabe ao médico a indicação do tratamento adequado ao portador do transtorno, não devendo interferir o plano de saúde, haja vista violação da proteção ao direito à vida e à saúde.

Portanto, os planos de saúde, privados, e os instituídos como autarquias, como por exemplo o IPASGO, devem custear integralmente o tratamento, inclusive, pelo método ABA, se essa for a prescrição médica.

*Thiago Taquary é advogado – @thiagotaquary_adv

Thiago Taquary é advogado (OAB/GO 38335) | Foto: Arquivo Pessoal
Thiago Taquary é advogado (OAB/GO 38335) | Foto: Arquivo Pessoal

“Golpe do Motoboy”, e eu com isso?


Quer ver um texto seu publicado aqui no Folha Z?

Pode mandar para o nosso email [email protected]

Basta seguir as seguintes regras:

1 — O texto deve ser inédito e exclusivo; 2 — Textos literários ou acadêmicos não serão publicados; 3 — Textos já reproduzidos em outros portais ou blogs não serão publicados.

Você também pode seguir o Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook