Mulher é presa em flagrante após compartilhar local de blitz no WhatsApp

Mulher é presa em flagrante após compartilhar local de blitz no WhatsApp | Foto: Divulgação/ PM-GO
Mulher é presa em flagrante após compartilhar local de blitz no WhatsApp | Foto: Divulgação/ PM-GO

Uma mulher de 21 anos foi presa em Boa Vista, capital de Roraima, após ser flagrada compartilhando fotos de uma blitz de trânsito em um grupo do WhatsApp.

Ela tinha acabado de ser parada na fiscalização por estar guiando uma motocicleta sem habilitação.

Impedida de seguir, a jovem sentou-se em um bar e fotografou a ação do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), encaminhando a imagem em seguida pelo aplicativo.

Foto foi compartilhada por mulher em grupo de blitz no WhatsApp | Foto: Divulgação / Detran Roraima
Foto foi compartilhada por mulher em grupo de blitz no WhatsApp | Foto: Divulgação / Detran Roraima
publicidade
Tatico 300×250 – Setembro

Seu objetivo era alertar outros motoristas que participavam do grupo sobre a blitz, para que eles evitassem passar pelo local.

O que ela não esperava era que agentes do próprio Detran estivessem infiltrados no grupo de blitz no WhatsApp, justamente para monitorar esse tipo de ação.

LEIA MAIS: Condenado pela morte de Cristiano e Allana, motorista prestará serviços e pagará multas

De acordo com o órgão, o flagrante foi algo inédito. “A pessoa não costuma tirar foto, só avisar. O que pegou é que ela foi parada na blitz, tirou a foto e ficou lá durante as publicações”, informou o plantão do Detran.

Flagrante

Assim que receberam a informação, agentes que participavam operação analisaram o ângulo da foto e constataram que a autora ainda estava no mesmo local.

Identificada, a mulher foi levada para a Central de Flagrantes de Boa Vista. Ela foi autuada por interferir em um serviço de utilidade pública, infração que poderá render-lhe de um a cinco anos de prisão ou multa por desserviço à sociedade.

LEIA MAIS: Os 5 bairros onde há mais roubo de carros em Goiânia

Segundo o Detran, a prática é ilegal e pode acabar beneficiando criminosos perigosos, que, devido às informações de grupos, conseguem trafegar livremente pela cidade sem risco de serem parados em uma blitz.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter