Rebelião em presídio de Manaus termina com 60 mortos

Rebelião em presídio de Manuas termina com 60 mortos| Foto: Divulgação/Secretaria de Administração Penitenciária do Amazonas
Rebelião em presídio de Manaus termina com 60 mortos| Foto: Divulgação/Secretaria de Administração Penitenciária do Amazonas

Após mais de 17 horas de tensão, chegou ao fim a maior chacina em sistema penitenciário brasileiro desde o Carandiru, no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus (AM). O secretário de Segurança Pública do Amazonas Sérgio Fontes informou que 60 pessoas foram mortas durante o confronto entre facções rivais.

O motim começou na noite do último domingo, 1, devido o resultado da rivalidade entre duas organizações criminosas que disputam o controle de atividades ilícitas na região amazônica: a Família do Norte (FDN) e o Primeiro Comando da Capital (PCC). Aliada ao Comando Vermelho (CV), do Rio de Janeiro, a FDN domina o tráfico de drogas e o interior das unidades prisionais do Amazonas.

LEIA MAIS: Feto é encontrado dentro de cesta de lixo em Goiânia

publicidade

Segundo o secretário Sérgio Fontes, agentes penitenciários da empresa terceirizada Umanizzare e 74 presos foram feitos reféns. Parte desses detentos foram assassinados e ao menos seis foram decapitados. Corpos foram arremessados por sobre os muros do complexo.

Segundo Fontes, as forças de segurança optaram por não entrar no Compaj por considerar que as consequências seriam imprevisíveis. “[A rebelião] foi gerida com negociação e com respeito aos direitos humanos”, disse Fontes, garantindo que os líderes da rebelião serão identificados e responderão pelas mortes e outros crimes.

Em nota, o Ministério da Justiça informou que o ministro Alexandre de Moraes esteve em contato com o governador do Amazonas, José Melo de Oliveira, durante todo o tempo. Ainda segundo o ministério, o governo estadual deve utilizar parte dos R$ 44,7 milhões de repasse que o Fundo Penitenciário do Amazonas recebeu do Fundo Penitenciário Nacional (Funpen) na última quinta-feira (29) para reparar os estragos na unidade.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter