Reviravolta: recém-nascido estava refrigerado em empresa

1ª suspeita era de que corpo do bebê teria sido incinerado por engano

Foi localizado o corpo do recém-nascido que estava desaparecido desde a última quinta, 24, em Aparecida de Goiânia.

A princípio, a Secretaria Municipal de Saúde apontou que a suspeita era de que o bebê teria sido incinerado por engano pela empresa encarregada pelo serviço.

Porém, no final da manhã desta segunda, 28, a pasta informou que o corpo foi localizado nas dependências da empresa Resíduo Zero.

Agora será entregue à família para sepultamento.

O caso

Rogério Cardoso de Almeida Filho nasceu às 14h55 de quinta, 24, na Maternidade Marlene Teixeira.

Ele viveu por cerca de 12h, até falecer devido a problemas respiratórios.

O pai do menino reclama da demora para colocá-lo em uma incubadora e até mesmo para transferi-lo a uma unidade mais adequada.

Para piorar, ele relata que não conseguiu mais localizar o corpo do filho quando voltou à maternidade depois de tratar com o Serviço de Verificação de Óbitos (SVO).

Investigação

Por meio de nota, a SMS afirmou que aguarda as conclusões das investigações policiais e que aplicará todas as sanções cabíveis aos responsáveis.

A pasta também implementou sindicância administrativa e estabeleceu um Grupo de Intervenção Hospitalar para fiscalização da Maternidade quanto ao cumprimento de todos os protocolos estabelecidos pela secretaria.

Na nota, a SMS também reiterou que o corpo do recém-nascido “estava devidamente identificado, acondicionado em refrigeração, quando foi recolhido de forma equivocada pela empresa”.

Além disso, o comunicado aponta que a prestadora de serviço ainda informou “erroneamente” à Administração que já havia incinerado o material.

“A Secretaria lamenta profundamente todo o ocorrido e afirma que está oferecendo assistência aos familiares”, finalizou o texto.

Pai quer identificar responsáveis por suposta incineração de bebê em Aparecida


Acompanhe tudo que acontece em Aparecida de Goiânia seguindo a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook