Recordar é viver – Jogo Limpo com Rodrigo Czepak

Jogo Limpo com Rodrigo Czepak

Senadores Ronaldo Caiado (DEM) e Lindberg Farias (PT)
Senadores Ronaldo Caiado (DEM) e Lindberg Farias (PT)

Recordar é viver

No dia 29 de outubro do ano passado comentei neste espaço o arranca-rabo ocorrido entre o senador Ronaldo Caiado (DEM) e o então ministro de Minas e Energia Eduardo Braga (PMDB). Episódio semelhante voltou a acontecer ontem na Comissão do Impeachment, desta vez envolvendo Caiado e o colega senador Lindberg Farias (PT-RJ). Resumo: xingatório habitual e o manjado “vamos lá pra fora” do parlamentar goiano. Optei, desta vez, por repetir o final do texto escrito há seis meses. Leia a seguir.

LEIA MAIS: Dilma vem a Goiânia nesta semana para inaugurar Aeroporto

Quem avisa amigo é

Recado de um dos 1 milhão 283 mil 665 eleitores que votaram em Ronaldo Caiado em 2014: ou o senador muda urgentemente a forma de exercer o contraponto político ou vai acabar encontrando alguém que não só aceite o desafio da briga como faça Caiado engolir os palavrões. Ainda há tempo para evitar humilhação sem tamanho.

Wendell Lira não é mais jogador do Vila Nova (Foto: Reprodução)
Wendell Lira não é mais jogador do Vila Nova (Foto: Reprodução)

Sonho virou pesadelo

Aproveitando o saudosismo, no dia 15 de janeiro deste ano outra coluna repercutiu bastante em função do destaque dado ao atacante Wendell Lira, vencedor do Prêmio Puskas de gol mais bonito em 2015, e consequentemente ao Vila Nova por ter se aproveitado do feito histórico. Foi bom enquanto durou. O “príncipe” Wendell Lira passou em branco e voltou à condição de “sapo”, rompendo seu contrato com o clube. Teve problemas de saúde, é fato, mas não demonstrou o necessário espírito aguerrido para brilhar com a camisa do Vila.

LEIA MAIS: Wendell Lira é dispensado do Vila Nova

A segurança que temos

Advertência aos apressadinhos que estão metralhando a escolha, pelos colegas, do deputado federal Alexandre Baldy (PTN) para presidir a Comissão de Segurança Pública da Câmara. O critério, com certeza, foi o mesmo que levou o vice-governador José Eliton (PSDB) para o comando da Secretaria de Segurança Pública do Estado de Goiás: notório desconhecimento do assunto. A bandidagem não brinca em serviço. Já os agentes públicos…

Barulho em excesso

O erro de comunicação que a Polícia Militar vem cometendo é o de alardear resultado de operação como se fosse algo fantástico. Não é. Apreensão de drogas, recuperação de veículos roubados e troca de tiros com criminosos são ações rotineiras no universo policial. A população de Goiás, em sua maioria, respeita o trabalho desenvolvido pelas corporações civil e militar, porém torce o nariz para peças publicitárias proclamando determinados dias sem homicídios. Ninguém acredita em zero ou mil mortes. O exagero, nesses casos, denigre a imagem de quem elogia e de quem critica o governo.

Comentários do Facebook