A Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semma) de Aparecida de Goiânia divulgou balanço de ações contra festas clandestinas desde o início da pandemia de covid-19.

Foram registradas 5.913 ocorrências relacionadas à perturbação do sossego.

Entre 19 de março, quando começou a quarentena em Aparecida, e a última 2ª feira (31), a Semma registrou 2.965 denúncias sobre utilização de som automotivo que, inclusive, é proibida por lei na cidade.

No mesmo período, o órgão fiscalizador também anotou 2.948 reclamações sobre utilização de som mecânico em diversas regiões da cidade.

Mais números

De acordo com o balanço divulgado pela secretaria, em 5.754 denúncias, a perturbação tinha como origem residenciais.

O levantamento apontou ainda que 147 chácaras foram denunciadas por perturbação do sossego e, em alguns casos, também pela aglomeração de pessoas e realização de festas ou eventos.

No final do mês de junho, entre os dias 26 e 28, foram apreendidos 5 veículos equipados com som automotivos e outros 5 aparelhos de som mecânico.

No setor Buriti Sereno, um espaço de festas foi interditado por ser reincidente.

No local, era realizada uma festa e, além disso, os responsáveis não apresentaram os documentos de licença e vistorias exigidos pela lei.

Em uma outra ocorrência, agentes da Semma, acompanhados de uma equipe do 41º Batalhão da PM, suspenderam uma festa com cerca de 20 pessoas no Jardim Veneza.

O dono do imóvel foi notificado pela perturbação do sossego público e também pela aglomeração.

Denúncias

A Semma disponibiliza duas linhas telefônicas e ainda 1 número de WhatsApp para atender as denúncias. O atendimento é realizado 24h.

Os telefones são: 3238-7217 e 3238-7220.

O WhatsApp é 98459-1661.

Para denunciar casos de perturbação do sossego público, o cidadão deve informar o endereço completo do local e qual tipo de estabelecimento: residencial, comercial ou templo religioso.

LEIA MAIS 👉 Presa mulher que fingiu aborto para extorquir R$ 400 mil de idoso em Goiânia


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook