Edminho Pinheiro foi a 1ª vítima de sequestro em Goiânia, ainda em 1972 | Foto: Reprodução
Edminho Pinheiro foi a 1ª vítima de sequestro em Goiânia, ainda em 1972 | Foto: Reprodução

Talvez você não se lembre, mas a vítima do 1º sequestro em troca de resgate registrado em Goiânia foi Edmo Mendonça Pinheiro.

Edminho, como é mais conhecido devido à sua ligação com o Goiás Esporte Clube, tinha 8 anos em 1972 quando passou dois dias em poder de sequestradores.

Ele foi pego próximo a sua casa na Rua R-2, no Setor Coimbra, atrás do local que hoje é a Secretaria Estadual de Educação.

Com a exceção de 1, os criminosos eram conhecidos da família Pinheiro.

O grupo abduziu o menino em um Fusca e o levou para uma mata em frente ao Country Clube de Goiás.

Cativeiro

Edminho foi mantido refém durante 2 dias pelos sequestradores.

Mas não havia um cativeiro: ele ficou no meio da mata, vigiado constantemente por um dos criminosos.

O resgate cobrado pelo bando era de 500 mil cruzeiros.

Valor que chegou a ser disponibilizado pela família, mas foi recuperado pela polícia antes do pagamento.

Ao ser entregue de volta aos pais, Edminho chorou.

Hoje, o empresário diz que ficou com apenas um dano permanente do caso.

“Uma sequela, em forma de vitiligo, apareceu cinco anos depois, o que é próprio de pessoas que tenham passado por um grande nervosismo”, disse Edmo em entrevista ao “Popular”.

Sequestradores exigiram resgate de 500 mil cruzeiros pelo menino Ediminho | Foto: Reprodução
Sequestradores exigiram resgate de 500 mil cruzeiros pelo menino Edminho | Foto: Reprodução

Edminho Pinheiro

Edminho Pinheiro é descendente direto dos fundadores do Goiás Esporte Clube, instituição da qual já foi vice-presidente e hoje é conselheiro.

Além disso, também é sócio-proprietário do Grupo Pinauto de concessionárias Fiat em Goiânia e vários outros empreendimentos.

30 anos depois, relembre o sequestro de uma criança que parou Goiânia


Quer relembrar a história de Goiânia, Aparecida e Goiás?

É só seguir o Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook