Tite é última esperança entre técnicos brasileiros no comando da seleção

Jogo Limpo com Rodrigo Czepak

Tite foi anunciado depois da demissão de Dunga (Foto: Reprodução)
Tite foi anunciado depois da demissão de Dunga (Foto: Reprodução)

Seleção: do limitado ao especialista

Ninguém sabe ao certo onde o técnico Tite vai chegar no comando da seleção brasileira. Mas um aspecto é indiscutível: ele entende do ofício, não faz esforço para colecionar desafetos e tem carisma. No último domingo uma cena chamou a atenção de milhões de telespectadores que acompanhavam o clássico Palmeiras x Corinthians em todo o país. Um torcedor adversário fez questão de cumprimentar o treinador antes do início do jogo. Tite tem a cara do Corinthians, ganhou quase todos os títulos disputados, mas sempre com respeito e profissionalismo. Competência que o transformou em referência.

LEIA MAIS: Dunga é demitido do comando da Seleção Brasileira

Talento da transpiração

Falar mal de Dunga neste momento é como empurrar bêbado em ladeira. Cavou sua própria sepultura ao mesclar ineficiência com arrogância. Duas características que não pregam em Tite. Ao participarem do programa “Bem, Amigos” do Sportv na noite desta segunda-feira (13/06), o volante Hernanes (Juventus) e o atacante Douglas Costa (Bayern de Munique) adotaram o silêncio no momento em que os comentaristas debatiam a dificuldade do elenco da seleção em compreender as orientações de Dunga. O talento do ex-volante tetracampeão (1994) nunca passou da transpiração, dentro e fora de campo.

Neymar durante jogo do Brasil com o Panama, 03 de JUNHO de 2014. BRUNO DOMINGOS/MOWA PRESS
Neymar durante jogo do Brasil com o Panamá, em junho de 2014 (Foto: Bruno Domingos/Mowa Press)

Cortar asas de Neymar

Tite não faz milagre, está longe de ser um super-herói, portanto nada de imputar ao treinador a missão de resgatar, sozinho, a credibilidade da equipe brasileira. Mas ele somente vai lograr êxito se injetar pulso no comando da seleção. Decisões básicas: cortar as asas do topetudo Neymar, definir um padrão de jogo com, no mínimo, duas variações e convocar somente jogadores que estejam verdadeiramente comprometidos com a seleção. Isso implica em dar as desejadas férias eternas aos alas Daniel Alves (Juventus) e Marcelo (Real Madrid). Gesto que deixaria outros “chinelinhos” com a pulga atrás da orelha.

LEIA MAIS: Diálogo dos Pênis revela o que os homens falam das mulheres no bar

Estrangeiros de olho

Um dos grandes trunfos do técnico Tite é ter o grupo de jogadores em suas mãos. Como ele nada pode fazer em relação à malandragem e à desorganização no comando da CBF, resta ao treinador mostrar como se faz dentro de campo. O futebol brasileiro sempre sobreviveu e venceu com total independência dos cartolas e dos governos de plantão. Tite representa a última cartada como solução no mercado brasileiro. Se naufragar, os técnicos estrangeiros farão a festa na Terra de Santa Cruz.

Comentários do Facebook